A difícil missão de Rogério Cruz, Vilmar Mariano e Izaura Cardoso, que dependem deles mesmos

em

|

views

e

comentários

Cada um a seu modo, os pré-candidatos à reeleição Rogério Cruz (Solidariedade), em Goiânia, e Vilmar Mariano (União Brasil), em Aparecida, chegaram ao final do período da janela partidária, a três meses das convenções e cinco das eleições, com a mesma espada sobre a cabeça: continuam vivos, mas… e agora? Izaura Cardoso (PSD), pré-candidata em Senador Canedo, também ganha tempo, e se pergunta a mesmíssima coisa.

Os três lidam com situação igual: dependem deles, e isso é mais um problema do que uma solução. Para Izaura, a vida está mais complicada. Ela só é candidata por causa do marido, Vanderlan Cardoso, senador e ex-prefeito da cidade, onde tem indústria.

Mas, agora, depende do que ele vai fazer para viabilizar sua própria pré-candidatura a prefeito de Goiânia, depois de tentar reaproximação com o governador Ronaldo Caiado (União Brasil), e ver seu amigo e cabo eleitoral Sandro Mabel virar adversário, como candidato do UB.

Dependendo da mexida, Vanderlan vira candidato e ela, não; ou o contrário; ou segue tudo ao mesmo tempo, com ambos nas disputas pelas vizinhas cidades. Por ora, ela segue em campanha e ele, idem. O discurso é de que nada mudou, apesar de ter mudado bastante o cenário antes muito positivo aos dois.

Vanderlan, líder nas pesquisas, está emparedado. Pode ter o governo estadual contra ele na Capital e em Canedo. O prefeito Fernando Pellozo, que elegeu, se rebelou e hoje é candidato adversário à reeleição.

Fazer campanha nessas condições não é o melhor dos mundos. Pesa a indefinição. Pesa contra o discurso de que vai dar em nada, está fragilizada etc. Como pesa sobre o marido. Vanderlan levou um baque, quase perdeu o chão, mas permanece vivo.

Ele tem opções e experiência para construir a sua candidatura. Normalmente, nessa fase, ele manda bem. Em campanhas passadas, chegou fortalecido à campanha. Seus problemas costumam pesar contra depois, na campanha. Perde para si mesmo, como se diz. Perde.

A incógnita agora é Izaura. O que ela vai fazer, inclusive em relação aos interesses de Vanderlan. Ela vinha bem, construindo uma candidatura real. De repente, seu futuro político ficou virtual. E se Izaura depende dela e do marido, Rogério Cruz e Vilmar Mariano vivem momento igualmente tenso por razões um tanto diferentes.

Para garantir suas candidaturas, dependem só deles, e é aí que as coisas desandam. Vilmar está há dois anos na prefeitura, e Rogério, há mais de três. Se não conseguiram se viabilizar até agora, o que garante que vão conseguir tal feito até as convenções?

Vilmar marcou ponto ao conseguir mais dois meses de prazo para se mostrar capaz de ir à reeleição. Terminado o prazo sem mostrar resultado, entra em campo Leandro Vilela. Leandro, com prazo regulamentar de cerca de dois meses para se apresentar e vencer Professor Alcides, já em campo. Impossível não é, dirão os governistas.

Uma negociação em que os governistas comemoram ter armado uma arapuca para Vilmar, filiando-o ao partido do governador, e Vilmar comemora ter dado a volta por cima, já que sem o governo não teria chance e em dois meses se consolida independente dos resultados.

Em síntese: Vilmar estava basicamente fora do jogo, e os governistas, que já queriam lançar Leandro Vilela – aproveitando o bom conceito que o sobrenome Vilela tem no município, por conta das boas gestões do parente Maguito Vilela prefeito -, terão de esperar mais dois meses contando que Vilmar cumprirá pacificamente o combinado é o tempo ser suficiente para viabilizar Leandro.

Com Caiado de arbitro e a base se mantendo dividida, principalmente com o ex-prefeito Gustavo Mendanha engolindo seco Vilmar usar seu aprovado nome para se mostrar como candidato de todo o grupo: Gustavo, Caiado, Daniel Vilela e Sandro Mabel (UB), este, sim, aliado seu e pré-candidato a prefeito de Goiânia.

Mabel e Vilmar até lançaram o “Cinturão 44”, em alusão ao número do União Brasil e à possibilidade de campanha conjunta na divisa entre Aparecida e a Capital. Mabel será decisivo, por sinal, para alavancar Vilmar. Já Vilmar, ao contrário, poderá ser um peso para ele, pelo desgaste.

Quem está comemorando o chamado fogo no parquinho adversário é o candidato do PL, Professor Alcides. Quanto mais guerra e fogo amigo no quintal do vizinho, mais festa do seu lado.

Rogério Cruz tem mais a provar porque está há mais tempo no poder e tem uma administração que não vai bem na avaliação popular. Na sexta, 5, vazou a informação de que ele não ficaria no Republicanos, que não morre de amores por ele faz tempo. No sábado, só às 17h, fim do tempo regulamentar para a janela eleitoral, ele anunciou a nova legenda: Solidariedade.

Uma legenda mediana com uma considerada boa chapa de candidatos a vereador, comandada por um de seus mais fortes secretários, Denis Pereira, da Infraestrutura. Rogério, com uma gama de partidos na administração, tem hoje um pequeno grupo de apoio para a reeleição. A fé move sua montanha de desgastes. Fé na entrega de obras como fato de mudança na percepção do goianiense à sua administração.

Rogério está desacreditado em termos de perspectiva de vitória, mas luta em pé. Em seu entorno, parece ser o único a acreditar na reeleição. Visão parecida tem-se do entorno de Vilmar. Apenas eles e uns poucos assessores levantam com convicção a bandeira do Renascimento e vitória nas urnas em outubro.

Em volta de Izaura há perfume de poder. O que não há é convicção de que sua candidatura vá em frente. A avaliação é em outro sentido: ela é, até que não seja mais por ação do marido. O sonho e a esperança é simples: que ele, por estratégia pragmática ou ato declarado de amor, recue e priorize o projeto com ela. E que, indo os dois para o combate, não tombem unidos feito Romeu e Julieta.

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados