A manifestação de Bolsonaro e o cordão dos puxa-votos, os candidatos em outubro

em

|

views

e

comentários

A manifestação em São Paulo em favor de Bolsonaro não bombou. Foi uma manifestação mais para dentro, pro público que já é bolsonarista. Não extrapolou. Acompanhar os desdobramentos será importante pra ver se a narrativa superará a realidade, longe do que parecia ser o objetivo: mostrar força a partir da participação popular. Será que, na narrativa, vão superar os fatos e fotos e vídeos?

Ser Bolsonaro não é fácil. Precisa estar metido em tretas e em desafios constantes ao senso comum. Precisa estar mais próximo da explosão do que da pacificação verdadeira, e não está de discurso, em que se prega uma coisa para o adversário que o seu lado mesmo não pratica. Ser Bolsonaro é viver em susto constante, desafiando as leis da lógica em nome de uma ilógica própria e bem peculiar, como a dos cristãos que o apoiam defendendo um país não cristão sem saber ou sem se importar que este país não é cristão – para começar.

Qualquer visão sobre o que aconteceu neste domingo na Avenida Paulista, em São Paulo, que não seja a versão dos bolsonaristas será uma mentira com base sólida nas melhores teorias da conspiração. Ainda que a verdade seja outra. O que é a verdade para um bolsonarista senão a comprovação de sua tese? O que não é mentira se não coaduna com seus conceitos sobre os outros, esses inimigos do Deus que adoram em Mala-Malafaia? Esse Deus que não vê a não ser o que veem e não.

A manifestação é mais do mesmo Bolsonaro. É jingle para seus encantados seguidores. É artifício bolsonarista para fugir à responsabilidade de seus atos e dos atos criminosos dos que desafiam as instituições desde 8 de janeiro. É puro suco barulho pra pedir silêncio. É a arte de ignorar o pé no chão ou fazer de conta que só eles são honestos e só eles são abençoados, e que a defesa da família e da moralidade que fazem é pra valer, pois seguem tudo que condenam nos adversários- não é sério?

O curioso é ver tantos políticos que, sabe-se, não tem nada de bolsonaristas, de repente lá, levantando bandeira pró-Bolsonaro em busca de uma coisa só: mendigar apoio do ex-presidente em outubro e o voto dos abnegados fiéis da extrema unção da direita. O novo cordão dos puxa-votos da política não defende o que pensa: pensa em defender Bolsonaro e assim garantir a eleição ou a reeleição. Aceita candidamente ser desossado e servido cru à massa de manobra. E o fazem, louve-se, porque é assim que funciona a política, ao radar da ladainha dos não-políticos. É o novo republicanismo: a devoção demomitológica em vez da mera articulação democrática.

* Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados