A nova oposição e a forte e nada nova disputa pelo velho poder na OAB em Goiás

em

|

views

e

comentários

Um grande acordo pode levar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seção de Goiás, a nem ter disputa para o seu comando no próximo triênio. Essa é a ambição de nomes fortes da atual direção e do maior grupo de oposição, mas que já presidiu a Ordem em outros tempos, o OAB Forte. O sonho: 1) um consenso amplo para uma chapa que seria imbatível; ou 2) chapa única.

A eleição será em novembro, logo após a disputa pelas prefeituras, e o atual presidente, Rafael Lara Martins, que esteve cotado para ser candidato a prefeito de Goiânia, vai tentar o segundo mandato. No pleito passado, de 2021, quatro candidatos disputaram a honra, o poder e a glória de presidir a entidade: Rafael Lara, Pedro Paulo de Medeiros, Rodolfo Otávio Mota e Valentina Jungmann.

Há diferenças de ideias e projetos nos dois maiores grupos, o que comanda e o que já comandou e quer voltar:

a) o que comanda a entidade atualmente é liderado por Lara e tem no ex-presidente Lúcio Flávio e no presidente da Casag, Jacó Coelho, suas maiores referências. Lara chegou ao poder bancado por Lúcio e com a renúncia de Jacó em ser o candidato da vez, tido como natural à época.

b) o outro, da OAB Forte, principal adversário de Lara, se baseia nas lideranças de Felicíssimo Sena e Miguel Cançado, dois ex-presidentes. O nome que puxou a resistência contra Lara e, antes, contra Lúcio, representando o grupo foi Pedro Paulo. Em todos os embates, a luta foi renhida, com denúncias de parte a parte, ataques e muitos choros e velas acesas na promessa de revanche.

O que há neste momento, em que tradicionalmente os interessados começam a se apresentar para a guerra: a costura à mão – muitas mãos – de um amplo e providencial entendimento que uniria no poder quem está e quem esteve, de preferência em uma chapa única, consensual, ampla e, ambição das ambições, irrestrita.

Conversas iniciais mostram animação e cuidado mútuo dos protagonistas, que preparam campo sem ousar ainda admitir o que já ocorre. No embalo das motivações está o fato de que vários dos atuais adversários – uma conta em aberto – já estiveram no mesmo ninho, em tempos idos e bem vividos em conjunto.

Há, em tudo, muito a ser ganho e tanto mais a ser perdido ao menor erro de cálculo e arranhão nas imagens em jogo. Por exemplo: os interesses em negociação são particulares ou de verdade representam as marcas e chapéus que defendem, como grupo atual, que sempre pregou a renovação, e OAB Forte? As conversas incluem quem, exatamente, nas apostas, com as inevitáveis perdas e ganhos?

Paralelamente a esse movimento é que advogados e grupos restritos de advogados, compostos por também ex-adversários e novos pretendentes a líderes, dialogam entre si. O propósito é igual, a conquista do poder, embora em condições bem diferentes. Não está descartada nem mesmo a escolha de um nome de consenso para enfrentar as duas vias que podem juntar forças: a atual diretoria e integrantes das anteriores.

Uma foto chamou a atenção dias atrás, por sua simbologia. Ela está postada nos perfis dos seus próprios e alegres integrantes, nomes conhecidos de eleições na OAB-GO: Leon Denis, Júlio Meirelles, Rodolfo Otávio Mota, Valentina Jungmann, Bruno Pena e Karolinne Pena. Encontro casual de amigos? Recado claro e cristalino de uma possível aliança em andamento, ou disposição para tal? Aliança única, embrião de outra, a ser mais abrangente, ou uma de outra(s) possível de ser alinhavada no contrapé da estratégia armada?

O princípio da reação: o consenso entre grupos há anos hegemônicos no comando da OAB-GO mostra-se é uma ação pragmática em busca de vitória rápida e certa; mais barata, inclusive, já que as eleições na seccional goiana costumam movimentar somas relevantes para o mercado, competindo em valores com as eleições para prefeituras maiores e outras. Porém, nenhuma união por cima é à prova de balas e explosões por seus flancos.

Política é disputa por espaço; espaço vago é espaço a ser ocupado. Oposição morta é oposição posta. Nas entrelinhas da disputa na entidade, uma ponta solta: a presença indireta do governador Ronaldo Caiado como cabo eleitoral.

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados