A Quarta-feira de Cinzas e o preceito da Quaresma

em

|

views

e

comentários

Terminado o período do Carnaval, que o calendário deste ano designou para o dia 13 de fevereiro, tem início a Quaresma, com a Quarta-feira de Cinzas e tudo mais.

Por que “cinzas”? As cinzas que os cristãos católicos recebem nesse dia constituem um símbolo para reflexão sobre o dever da conversão e da mudança de vida, recordando a passageira, transitória e efêmera fragilidade da vida humana, que resulta inevitavelmente na morte. Tudo em nome do preceito bíblico: “Tu és pó e ao pó da terra retornarás!” (Gn 3,19).

Mas, afinal, o que é mesmo o Preceito da Quaresma?

Num conceito mais simplificado, diríamos que Quaresma é o período de preparação para a Páscoa do Senhor cuja duração é de aproximadamente 40 dias. É um tempo marcado pela penitência, pela realização constante de jejuns, pela conversão e pela preparação dos catecúmenos com vistas ao batismo.

Na Quaresma, coloca-se em evidência a tentação de Cristo no deserto, assim como as experiências de Noé (40 dias na Arca) e de Moisés (40 anos vagando pelo deserto), fatos que certamente exerceram grande influência na determinação do tempo quaresmal. É ainda possível que o fato de Cristo ter permanecido por volta de 40 horas no sepulcro tenha também sido levado em consideração.

Frise-se que Quaresma é o período do ano litúrgico em que antecede a Páscoa cristã, sendo celebrado por algumas igrejas cristãs, dentre elas a Católica, a Ortodoxa, a Anglicana e a Luterana.

Os serviços religiosos desse período constituem a preparação da comunidade de fiéis para a celebração da festa pascal, que comemora a ressurreição e a vitória de Cristo depois dos seus sofrimentos e morte, conforme narração dos Evangelhos.

Na Semana Santa, celebra-se o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus, no Tríduo Pascal: Sexta-feira da Paixão, Sábado Santo e Domingo da Ressurreição. Assim, o tempo quaresmal termina na quinta-feira de manhã, inclusive, significando os 40 dias que Jesus jejuou no deserto, antes da sua decisão de ir para Jerusalém: “Vamos para Jerusalém, é lá que eu devo sofrer o martírio”, disse Jesus.

Na sexta-feira, o corpo de Jesus foi retirado da cruz e colocado num sepulcro cavado na rocha. No sábado, celebra-se a permanência de Jesus no sepulcro. Ao amanhecer de domingo, festeja-se a ressurreição, onde Jesus se levanta de sua sepultura e vence a morte. É o dia do grande milagre! O dia em que Cristo volta à vida através da Sua Ressurreição dentre os mortos. É o dia em que os cristãos celebram a Vida, o Amor e a Misericórdia de Deus.

Elson Oliveira
Elson Gonçalves de Oliveira foi professor de Língua Portuguesa, é advogado militante e escritor, com vários livros publicados.
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados