Arautos da moralidade e o ‘lado B’ das campanhas eleitorais

em

|

views

e

comentários

Político que não tira da boca o julgamento da moralidade alheia e se apresenta como a última reserva abençoada da terra, não tem erro: mais cedo ou mais tarde, vai cair do cavalo. Esses são os piores: mais abençoados e purificados que Jesus Cristo.

Político sem caso de família mal resolvido ou sem jamais ter cometido pecado que não possa virar escândalo, que atire a primeira pedra. Construir uma vida pública em cima da narrativa de católico apostólico impoluto ou evangélico com a mão pregada na Bíblia, atacando e condenando os males do mundo, é andar no fio da navalha com a fogueira dos infernos logo abaixo.

Em campanha, então, tudo se eleva. Não há abençoado ou santo que resista a uma CPI ou a uma boa investigação, algo elementar em qualquer disputa para o executivo. Os bastidores da vida sempre vêm à tona. As contradições viram balas de canhão contra o próprio patrimônio ético movediço.

De repente, as hipocrisias saltam aos olhos e os furam. O humano, demasiadamente humano, ou humana, perde-se e depois perde a eleição sem nem entender as causas e os efeitos de suas atitudes inomináveis.

Um candidato ou candidata em reeleição, o ser humano, todos temos segredos que, revelados, não nos favorecem por razões várias; ou, pior: não deixam pedra sobre pedra. E uma campanha é mais que isso: pecados mínimos se tornam capitais, atitudes questionáveis se transformam em transgressões imperdoáveis. Vale tudo. Feio é perder. Quem já não ouviu isso?

Se nada foi encontrado porque bem escondido, inventa-se. Não há moralidade que resista a uma história bem contada; e, se verdadeira, melhor ainda para quem a conta e espicha. Daí que se o candidato não estiver com os pés no chão, a explosão vai jogá-lo fora da realidade. É o que acaba acontecendo com os arautos da moralidade, mais cedo ou mais tarde.

Por isso, o que mais preocupa candidato ao cargo executivo não é acertar o seu discurso, mostrar o que pensa, propõe e sonha realizar. O que tira o sono mesmo de quem está na linha de frente da disputa é o que de mal vão falar dele, e o que ele tem de arsenal de maldade contra o adversário. Raras são as exceções.

De que adianta tanto cuidado com os defeitos alheios se os próprios são maiores e fatais?

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados