Dor

em

|

views

e

comentários

Quando a dor passa, não é alívio, é superação. Fica o livro, fica o filme no coração. Fica o nó, fica o desconforto, mas também a sublimação. Nunca é fim, porque sentimento não tem tempo para começar, se eterniza na pele feito nova camada, novo fio de lágrima que protege de tudo, menos do suspiro que emite o corpo redivivo.

Em certo momento, meu corpo foi cana na moenda, e o caldo era belo. Eu descia por seu pescoço com certa avidez, sem, no entanto, macular seu gosto. Eu percorria seu corpo sem compromisso com a minha recorrente ansiedade por amor. Eu ia por aí onde havia você e o seu desejo, o meu desejo de você. E o amor era vasto.

Veio a chuva com seu fogão a lenha e, de cócoras, juramos sorrisos e mais sorrisos ao som de Deus crepitando. A vida estava imensa, inenarrável e os abraços atiçavam as labaredas, os abraços percorriam a luz dos seus olhos. Cada segundo fazia sentido, nada estava fora do lugar.

Foi o mundo. Fui eu. Foram os sonhos quebrados nas margens. Assim que a notícia chegou, informando de morte os ouvidos sensíveis ao vento, assim que soubemos que os dias se sobrepunham às noites, e que os corpos horizontais não sobreviveriam se não fossem aprumados pelos fatos de cada um, assim que o vulcão avisou, fomos acordados sem defesa. E veio a convulsão, a dor, a laceração.

A dor não ensina nada que já não saibamos por antecipação do intenso amor. No ápice dos pulmões, nas grimpas de um fígado amargado, como uma manga inevitável, está calmamente nos aguardando a queda. A dor não nos espera no chão. A dor está na expectativa. No chão está a salvação onde, antes da subida, o fim fazia festa. A festa da saborosa e sempre fresca ilusão.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados