Em campanha política é cada uma que acontece!…

em

|

views

e

comentários

Pois é, alguns eleitores gostam mesmo de valorizar o voto. Sabem mais do que ninguém que sem o dito cujo o candidato não vai conseguir subir ao poleiro.

Fato é que cada qual dá valor ao que tem, não é mesmo!… Se a pessoa tem o voto, por que não valorizá-lo a contento? Mas também dá margem à pergunta: Quem é mais corrupto, o candidato ou o eleitor?

Por outro lado, em tempo de campanha eleitoral, até mesmo a linguagem é deturpada. Dá a impressão de que tudo vira do avesso: o certo passa a ser errado e o errado passa a ser certo.

Seguem dois casos verdadeiros, por incríveis que pareçam!…

Um cavalo pelo voto…

Ocorreu que em plena campanha política, disse um desses fiéis votantes ao candidato que lhe pedia o precioso voto:

— Meu voto é do senhor, disso o senhor pode ter certeza.

— Sabia que o amigo não ia me deixar na mão! – respondeu o candidato, enchendo-se de satisfação e orgulho.

Continuou o eleitor:

— Agora, o senhor sabe, vou todo dia pra roça a pé, subindo morro, volto cansado, às vezes mancando…

— Sim, parabéns pela coragem e a determinação! – concordou o político, já na expectativa do que poderia vir da continuidade daquela conversa matreira.

— Então, tive pensando, cheguei até a falar com a minha Mariinha, se o senhor me desse um cavalo…

— Um cavalo? – interrompeu a fala, meio assustado, o candidato.

— É, um cavalo, mas não é vendendo o voto não, o senhor sabe, porque voto não tem preço, né!

— O candidato fez cara de sério e indagou: pode ser um manga-larga?

O eleitor mudou o semblante na hora. Seus olhos brilharam. Não querendo acreditar no que tinha ouvido, exclamou:

— O senhor tá brincando!…

E o político respondeu, incontinenti, esboçando um leve sorriso:

— Mas foi você quem começou!…

E tudo terminou em gargalhada. Ao final da explicação, para mostrar que o voto não pode ser negociado, o eleitor se despediu dizendo:

— O senhor é tão engraçado!… Vou votar no senhor.

— Mesmo sem o cavalo? – retrucou sorrindo o político.

— É o jeito, né! – respondeu conformado o eleitor, também em sorriso.

É proibido o uso de santinho no local da votação…

No dia da eleição… Aconteceu que a autoridade já havia alertado a todos que se encontrasse alguém portando “santinho”, mesmo que escondido no bolso, no dia da eleição e no local da votação, ia ser preso.

Não foi nada não. Logo cedo, chega o juiz eleitoral, protegido por dois seguranças desse tamanhão, armados até os dentes, a um determinado local de votação. De cara, o fiscal de uma das seções foi premiado:

— Tem ‘santinho’ no bolso? – indagou-lhe a autoridade responsável pelo bom andamento dos trabalhos.

— Tenho sim – respondeu na lata o moço.

E permaneceu quieto.

— Deixa eu ver! – ordenou o homem da lei.

Sem pressa, o cara enfiou a mão no bolso, abriu a carteira e exibiu um santinho de Nossa Senhora da Guia. Nesse momento os dois policiais, que assistiam a abordagem, armaram as espingardas, apontando-as em direção ao indigitado e abusado rapaz, que se manteve calmo, pelo menos aparentemente.

— Isso é desacato à autoridade! – bradou o juiz, com o sangue fervendo nas veias.

Antes, porém, que lhe fosse dada voz de prisão, o fiscal revistado apresentou sua defesa:

— Desculpe, doutor, o ‘santinho’ que eu conheço é desse jeito aí. Se o senhor tivesse me perguntado se eu portava material impresso de propaganda eleitoral eu tinha respondido que não.

Diante disso, o juiz soltou um gungunado estranho, e o aparato todo virou as costas ao desafeto e foi dar continuidade ao seu serviço.

Elson Oliveira
Elson Gonçalves de Oliveira foi professor de Língua Portuguesa, é advogado militante e escritor, com vários livros publicados.
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados