Jayme Rincón diz ter sido vítima de armação política em Operação Cash Delivery

em

|

views

e

comentários

Nesta terça-feira (02), em coletiva de imprensa realizada em Goiânia, os advogados Romero Ferraz Filho e Cristiano Zanin Martins detalharam a decisão liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) que extingue toda a operação Cash Delivery. Iniciada em 2018, ela tinha como alvos o ex-governador Marconi Perillo e o ex-presidente da Agetop, Jayme Eduardo Rincón, que participou da coletiva no Metropolitam Mall, no Jardim Goiás.

Na tarde de quinta-feira, 28 de abril, o Ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes acatou o pedido de Habeas Corpus dos advogados em sua decisão, que beneficia também o ex-governador Marconi Perillo. A tese apresentada pela defesa alega que houve manipulação dolosa de competência desde o princípio da ação, ainda no Superior Tribunal de Justiça (STJ), quando este acatou parecer do Ministério Público Federal (MPF), desmembrando o processo em duas vertentes.

Em sua apresentação, Zanin fez analogia da operação Cash Delivery com a metodologia adotada na Operação Lava Jato de Curitiba. “Houve manipulação de competência, linchamento público dos acusados, Trial by Media, ou seja, acusações feitas no âmbito da mídia, delações sob encomenda, tivemos atos processuais sincronizados com o calendário eleitoral, tivemos comemoração da prisão ilegal de adversários e a perseguições de alvos pré-definidos”.

Após ter sentença anulada pelo STF, Jayme Rincón diz ter sido “vítima da maior armação política do estado de Goiás” e não poupou críticas aos promotores do processo. “Eu respeito profundamente o Ministério Público, mas desprezo profundamente os promotores que usam o Ministério Público para perseguir, coagir e denunciar sem provas”, disparou.

Indignado, Rincón relembrou a prisão de seu filho, o engenheiro Rodrigo Rincón, preso em uma das etapas da operação. “O meu maior desprezo é pelos promotores canalhas que prenderam meu filho. Meu filho trabalhava fora de Goiás há mais de quatro anos. Ele nunca ocupou cargo público, nunca participou de campanha. Prenderam meu filho para me chantagear e me humilhar”.

Visivelmente aliviado, Rincón comemorou a conquista. “A justiça tarda mas não falha. Só eu sei a dor que eu e minha família passamos em virtude do que fizeram conosco. Eu fui usado como ‘bode expiatório’ para que determinadas pessoas inescrupulosas atingissem seus objetivos políticos e partidários usando uma instituição do estado” afirmou.

Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados

9 COMMENTS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here