Lula, Zé Dirceu e o ex-PT

em

|

views

e

comentários

O PT tem dois nomes que mexem com os instintos do partido: Lula e Zé Dirceu. Mostrando vigor físico, mental e disposição para liderar o Brasil e mundo nas pautas mais duras e delicadas, como a guerra na Faixa de Gaza, Lula respira e inspira paixão. Dirceu mostra cansaço, um corpo pesado de outras guerras, mas mantém-se na luta; pensa, formula, vigia, fala, fala, fala, e aí incansavelmente.

Juntos, Lula e Zé Dirceu formaram a maior dupla da política brasileira nas últimas décadas, a que levou os rincões e as periferias ao poder em Brasília e promoveu mudanças significativas na vida das pessoas. Mais de 30 milhões saíram da linha de pobreza, lembremos. A dupla que elegeu a esperança das classes baixas e da classe média quando isso era apenas discurso e letra bonita em programas de governo.

Acontece que a dupla não é mais a mesma. Cada um no seu canto, cada qual com seu pranto e as suas bandeiras. Companheiros, sonhadores, mas a seus modos. Por conta de desgastes de imagem, vigilância adversária, ataques estratégicos justamente para impedir que caminhem lado a lado à frente das causas comuns e militâncias naturais, eles evitam o alinhamento aberto, a exposição conjunta.

Lula e Zé Dirceu são lideranças de um partido que se fez História e na História, goste-se ou não. Na trincheira, linha de frente da batalha, Dirceu foi abatido no Mensalão e se afastou. Tornou-se um líder petista à parte, preservando Lula e o PT na labuta. Foi assim que viu o impeachment de Dilma e o fundo do poço da Lava Jato. E a retomada da luta, com a volta de Lula ao comando do País.

Nessa caminhada, Zé Dirceu e o PT acumularam desgastes, carregando o estereótipo da corrupção carimbada pelos adversários. E viram emergir uma nova desordem mundial, com o reflexo aqui de um Jair Bolsonaro anti-PT, anti-instituições – anti-democrático na prática -, anti-sistema, anti tudo que estava aí por obra e gosto da República. Viram o PT perder, ganhar e deixar de ser o povo no poder, para ser mais, hoje, o povo petista no poder.

Este ano, o dilema é a imagem do presidente em 2026, quando Lula tentará ou não a reeleição. O maior adversário deixou de ser Bolsonaro para ser o bolsonarismo enraizado e um Centrão que está saindo do baixo clero no Congresso para ocupar os maiores partidos, aqueles com os mais vultuosos fundos partidários. Nesse imbróglio é que o PT se enrosca, Lula dança e Dirceu se levanta como voz que tenta colocar juízo nos seus e mostrar que é preciso trilhar um novo caminho. Qual? A se descobrir.

O PT precisa antes decidir se o seu maior problema é de Comunicação ou Política. Se tem um bom governo que não consegue mostrar o que faz, ou se tem uma estrutura partidária acomodada e desorientada a ponto de não conseguir vencer o PL e a máquina de notícias enviesadas e fabricadas sob medida para a mentira virar verdade e apenas o seu caos metodológico prevalecer como fato incontestável.

O PT não sabe o que faz diante de um inimigo que aprendeu a mobilizar e dominar parte importante e relevante das redes sociais e das redes das ruas – a turba, os patriotas, os (novos?) cidadãos bolsominions. O PT e Lula não conseguem controlar a pauta no Congresso; sofrem o estica e puxa dos interesses do momento, fora as bolas nas costas, como de repente ver Nikolas Ferreira tornar-se presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, (in)consequência para o governo e para o Brasil.

Dirceu não tem mais poder interno na legenda como antes para ditar os rumos; então, dá entrevistas. Lula faz o que pode, e parece lutar direto à frente de militantes e voluntários, por falta de outras vozes de comando ao seu lado. Onde estão os líderes do PT e da esquerda para dividir com Lula as frentes de batalha? Onde estão os aliados, ministros e críticos para comunicar e politicar enquanto ele governa – melhor: para ele não ter de governar sozinho?

O governo Lula tem muito o que mostrar. Mas quem vai mostrar? Lula está recolocando o País nos trilhos. Mas onde estão as provas e as linhas humanas e os argumentos de defesa? Arcabouço aprovado, mais baixo desemprego desde 2014, crescimento acima das expectativas, inflação em queda. Não é um bom começo? E por que a queda nas pesquisas de avaliação? O governo Lula parece só ter Lula mostrando o bom do governo Lula. E só Lula apanha pelas falhas e inapetência de todos.

Falta o bom combate. Falta corpo a corpo nas ruas, sobram tuítes de lacração contra lacração nas redes. Falta luta: PT para o PT – cadê o PT?. Falta Zé Dirceu para o PT e para Lula. Há muita História em jogo, passada e futura. Palavras de Zé Dirceu:

“Sem alarmismo, mas com responsabilidade, devemos avaliar nossa relação com as forças políticas, lideranças e setores sociais que votaram contra Bolsonaro e em Lula, numa perspectiva de defesa da democracia e de um programa que na campanha nos reuniu e nos deu a vitória. Essa aliança e esse diálogo têm de estar presentes no governo e na sua comunicação, sob pena de perdemos esse eleitor cidadão que nos deu a vitória.”

Quer mais Dirceu? Leia: Sinal amarelo

*Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados