Na definição do candidato governista em Goiânia, Caiado ganha tempo; Bruno Peixoto, também

em

|

views

e

comentários

O novo anúncio feito nesta quinta, 15, por Bruno Peixoto (União Brasil) de que está fora do jogo sucessório em Goiânia não resolve a guerra interna na base do governador Ronaldo Caiado (UB), mas desarma ânimos e dá tempo para que a pacificação seja construída. Um fôlego depois de dias tensos, com trocas de recados, ataques coordenados e muita informação e contrainformação correndo nos bastidores. Um cenário de terror e promessa de fim dos tempos, de lado a lado na mesmíssima ninhada de aliados.

O que se viu no reinício dos trabalhos na Assembleia Legislativa foi uma sessão de panos quentes. Troca de amabilidades depois de conversas de bastidores em que o presidente do Detran, delegado Waldir, teve papel cirúrgico. A ponto de o discurso de Bruno indicar uma retirada em definitivo e as declarações de Waldir apontarem um outro cenário, em que tudo está zerado na base, o governador não tem pressa e Bruno, quem sabe, pode até voltar a ser o que disse que não será.

No jogo zerado, até mesmo o empresário Jânio Darrot não tem garantia de pré-candidatura, até esses dias o nome escolhido por Caiado para disputar a prefeitura. E sem que isso seja colocado na conta da recente ação da Polícia Civil contra ele, em razão de investigação antiga. Movimento que vinha sendo atribuído nos bastidores a Bruno Peixoto, que negou com seus apoiadores atirando no governador, dizendo que quem sempre fala em “minha polícia é Caiado”.

É este clima beligerante de fogo amigo que parece vencido pelo desenrolar dos diálogos de pé de orelha. A situação funciona, pode-se dizer, como um pacto entre as partes. Bruno se retira; Darrot será tirado do jogo; Caiado ganha tempo para fazer o que disse que faria logo depois da virada do ano: ouvir lideranças, dirigentes de partidos, todos os interessados em disputar a prefeitura na sua base, até chegar a um nome que seja minimamente consensual. Qual nome. Qualquer um, no sentido de que não há carta marcada.

Bom também para o vice-governador e presidente do MDB, Daniel Vilela, que também vinha sendo alvo de fogo amigo dos aliados de Bruno na Assembleia. Sabe-se que há importantes emedebistas defendendo o nome de Bruno, de olho em uma eventual vice na sua chapa. Agora, Daniel volta a respirar com calma e poderá acompanhar o governador na escolha dos dois integrantes da chapa majoritária. Ainda lembrando Caiado, não há pressa nesse processo. Pode durar até as convenções.

Caiado, que estava perdendo o controle de sua estrutura, volta então ao protagonismo total. Ele traz para si a definição da chapa e coloca ordem na casa governista no momento em que o PT já definiu o seu nome em Goiânia, a deputada federal Adriana Accorsi, e o senador Vanderlan Cardoso dá mostras de retomada do entusiasmo com a disputa na Capital. Vanderlan é hoje o adversário que o governador menos gostaria de ver eleito. E, por isso, será o alvo preferencial na fase de fechamento de alianças que começa com essas conversas anunciadas por Caiado.

O controle do jogo no seu quintal dá ao governador tempo para administrar outra situação: a pré-candidatura do deputado federal Gustavo Gayer (PL), bolsonarista de quatro costados, apoiado aqui pelo senador Wilder Morais, presidente do PL. Wilder tem como meta ser candidato a governador em 2026, e nesse caso será contra Daniel, uma vez que Caiado avisou que renunciará em abril daquele ano. Acontece que Caiado quer o apoio do PL e pode até ir para o PL, caso isso lhe possibilite a sonhada candidatura a presidente da República.

Como resolver essa situação de interesses cruzados – dele, para presidente; de Wilder e Daniel, para governador; de Gayer e o nome da base à prefeitura – e, por tabela, agradar a Jair Bolsonaro, de quem quer o apoio em 2026, é a verdadeira equação para o governador resolver, bem maior que a simples definição de uma possível candidatura governista em Goiânia. A grande meta de Caiado, vale repetir, é a candidatura nacional; uma vitória em Goiânia é, digamos, um detalhe.

A partir de agora começará a dança das conversas políticas com o governador, que tem entre os interessados inclusive o prefeito Rogério Cruz (Republicanos), que quer a reeleição. Partidos menores hoje gravitando em torno da prefeitura resistirão a um bate-papo a portas fechadas com Caiado? O que fará o prefeito para conquistar o governador – ou sem o apoio dele, em definitivo? Conseguiram montar chapa e reunir aliados suficientes para entrar na disputa com chances?

E, para não dizerem que não falei das flores e dos espinhos, aqui vai: Caiado faz o que quer; Bruno Peixoto, não. O tempo sonhado é também o tempo dos pesadelos.

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados