O mote de Iris Rezende na sua última gestão, Goiânia do seu jeito, está atual e vivo na memória, como ele

em

|

views

e

comentários

Lembro que todas as peças de mídia da prefeitura de Goiânia nos últimos quase dois anos tinham um conceito básico: Goiânia estava ficando no jeito. Goiânia, claro, tem jeito. O jeito de Iris, o jeito certo para uma boa gestão e o jeito que a população quer e precisa. A sacada partiu da Casa Brasil, uma das agências que ainda cuida da prefeitura.

Tudo a ver com o que Iris tinha se proposto na campanha e logo que assumiu a gestão, sua quarta: arrumar a casa, reorganizar as finanças, retomar o ritmo e o rumo que imprimira principalmente de 2005 a 2010 na prefeitura. Ele repetia sempre que só foi candidato, em 2016, porque se sentia responsável pela desarrumação que sobreveio após sua saída. Era sua sina e o seu destino.

Dois anos após sua morte, o que vemos é que Iris está mais vivo do que nunca na política goiana, e a expectativa dos eleitores segue a mesma de quando ele foi eleito pela última vez, segundo mostram pesquisas qualitativas. Goiânia anseia por um prefeito que tenha seu jeito de gestor e que dê jeito na bagunça estabelecida.

Não há dúvida de que Goiânia tem jeito. Assim como está claro que um pré-candidato ou candidato que emule e projete seu jeito entra com boa vantagem na campanha. Daí que Iris seja referência para quase todos, com direito a lembranças dos nomes na disputa que evoquem o máximo de intimidade com ele. Verdade essa intimidade. Não importa. Importa dizer.

E este é o principal ponto. Não basta citar Iris, usar seus motes e louvar sua farta herança política. É preciso ser, em vez de tentar parecer ser. A população reconhece o charlatanismo, o falso testemunho e a falácia dos elogios eleitoreiros. A história mostra isso. A deferência a Iris sem o respeito a Iris, assim como a incorporação de seu nome sem que a prática prove a justa semelhança, é tiro n´água, nem reverbera.

Iris continua muito vivo porque Goiânia segue viva para todos que a amam. Os dois se interconectam como almas gêmeas. No jeito e nos trejeitos. O uso em vão do nome de Iris é a máscara que não engana o cidadão e o eleitor goianiense. Iris sempre foi leal e verdadeiro com os goianienses. Um homem de caráter. A relação mútua sempre foi de pura e longeva honestidade. Desonestidade não faz o gestor nem a cidade.

“Goiânia tá ficando no jeito

e o coração mal cabe no peito”

Salve, salve André Pupulin!

* Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados