O que Caiado mira em Goiânia, Aparecida e Anápolis

em

|

views

e

comentários

Ronaldo Caiado já fez sua apresentação ao Brasil como pré-candidato. Deu entrevistas, lembrou que é direita antes de ser direita virar modinha, que passa longe do radicalismo da extrema-direita, e que pratica o antipetismo quando muito dos atuais antipetistas estavam ainda na incubadora bolsonarista. Daqui pra frente é campanha, com seus períodos mais intensos e outros mais calmos, mais de manutenção da caminhada do que de grito no escuro.

A grande questão que se abre é o que fará o governador Caiado (União Brasil) no seu reino. Que tipo de cabo eleitoral será para seus apoiadores, do alto de seus 86% de aprovação, segundo recente pesquisa. Na mira, estão principalmente Goiânia, Aparecida e Anápolis. Nessas três cidades, a expectativa em relação à participação do governador é alta. Sandro Mabel, Leandro Vilela (MDB) e Márcio Corrêa (PL) ou Eerizânia de Freitas (União Brasil) estão pendurados no governador. Sem ele, não vão longe.

Em outros tempos, o governador escolhia quem queria apoiar e se esforçava mais por estes, ou com presença, ou com recursos ou com estrutura diferenciada. No mais, esperava o resultado e depois ia lá negociar com os eleitos, que geralmente estavam mais tranquilos e dispostos a aceitar uma ajuda para pagar os restos de campanha, e mesmo para estabelecer acordos de governabilidade estratégicos para a cidade. Caiado vai entrar de verdade em quais campanhas? Bom de campanha, ele é conhecido por sua entrega eleitorais. Ocorre que há questões em aberto, em alguns municípios.

Em Goiânia, ele está bem avaliado. Vai arriscar esse patrimônio, na perspectiva de que basta apontar o dedo para que a população automaticamente obedeça e eleja quem ele quer? Ou levará em conta que transferência de voto não tem nada de automático, que pode indicar uma direção e a população tomar em outra, impondo-lhe uma derrota gratuita, já que não há ninguém cobrando-lhe que vença na capital? Uma vitória em Goiânia sem um discurso nacional, nada mais que isso, pois todos entendem como obrigação o governador ganhar. Já uma derrota é um ponto negativo. E até que ponto está disposto a ir para ter o PL de Bolsonaro – que trocou Gustavo Gayer por Fred Rodrigues como candidato – com Mabel?

Em Aparecida há um outro ingrediente. A disputa ali virou um imbróglio total que chegou ao ápice com a consolidação da troca de Vilmar Mariano por Leandro Vilela. Vilmar não agradava ninguém, porém, estava no partido do governador, estratégia desde sempre arriscada que se revelou mortal para sua pretensão: foi Caiado que o avisou da mudança lá atrás combinada, mas que não deixa de deixar seus traumas.

Gustavo Mendanha (MDB), o ex-prefeito que nas pesquisas aparece como forte cabo eleitoral local, na prática, não tem candidato para chamar de seu, porque rejeitava Vilmar mas Leandro nunca foi propriamente uma escolha sua. Foi o que lhe restou apoiar para não ficar sem candidato. Melhor para o vice-governador, Daniel Vilela (MDB), que pode ter um parente na prefeitura ajudando na sua possível reeleição em 2024. Na boa: se Leandro ganha, bom pra ele; se perde, pior para o Gustavo. E Caiado? Agora está entre o candidato de Bolsonaro – Professor Alcides, PL – e o do MDB. Vai encarar como? E as consequências da mudança agora no jogo? Glaustin da Fokus (Podemos) candidato com apoio de Vilmar?

No caso de Anápolis, Eerizânia é a candidata do prefeito e não saiu do lugar. Caiado vai pra lá enfrentar o líder absoluto nas pesquisas Antônio Gomide (PT) – até que, ok – e o candidato de Bolsonaro, Márcio Corrêa? Ficará contra Bolsonaro numa e na outra cidade, na boa fé que o PL apoie Mabel em Goiânia sem cobrar fatura? São questões postas e discutidas nos bastidores políticos. Mas pode ser que nem dilemas sejam para Caiado. Bom entender isso. Semana passada o presidente do Detran-GO, Delegado Waldir, por exemplo, sugeriu ao prefeito Roberto Naves (Republicanos) que retire o nome de Eerizania. Sinais…

Caiado se movimenta por questões muito pontuais e particulares. Não se intimida e não fica em cima do muro. As anotações aqui funcionam mais como registro do que se ouve entre aliados seus, inclusive, e que têm fundamento na história política – ainda vamos estudar isso, ou nossos descendentes. Um parâmetro entre os dilemas naturais de um governador e as decisões que Ronaldo Caiado tomará. Sim, Caiado não tem dilema, tem objetivos pessoais e pragmáticos. Articula seus movimentos políticos por aí. Ele mira e atira.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Mutirama amplia horário de funcionamento durante férias escolares

Devido a alta procura no mês de julho, parque está aberto a visitação de quarta-feira a domingo, das 10h às 16h O Mutirama ampliou o...

Aparecida atende mais de 600 crianças na Colônia de Férias 2024

Programação desta e da próxima semana inclui gincanas, brincadeiras, jogos de futebol e piscina para as crianças e adolescentes referenciadas nos CRAS do município A...

Abertas as inscrições para o concurso da Polícia Penal de Goiás

Certame oferece 1,6 mil vagas, com salário inicial de R$ 5,9 mil; seleção exige diploma de nível superior Estão abertas, a partir desta terça-feira (16/7),...

Recentes

Relacionados