O tumulto da política e as definições na eleição em Goiânia

em

|

views

e

comentários

Operação contra os conspiradores da tentativa de golpe no 8 de Janeiro, recolhimento do passaporte de Jair Bolsonaro, militares na trama dessa patranha, bolsonarismo de dedo em riste, esquerda militante sempre alerta. Os fatos políticos vão se atropelando no Brasil e as eleições ficam cada vez mais imprevisíveis.

Como a população vai reagir a cada sobressalto passa a ser o ponto de desequilíbrio no jogo de forças. Na pré-campanha, a incerteza é natural e faz parte das ações e reações. Mas com o acirramento maior dos ânimos, as conversas em andamento e possíveis alianças tropeçam a cada chacoalhada, fechando portas e abrindo possibilidades. O mesmo vale para denúncias frias surgidas de repente, do nada: não são nada, mas podem virar o jogo.

Bolsonaro chegará a outubro como cabo eleitoral indispensável? Hoje, alguns nomes em Goiás se apoiam absolutamente nele, como Gustavo Gayer, pré-candidato em Goiânia, e Professor Alcides, em Aparecida. Ambos escoram mais no ex-presidente do que se articulam em busca de alianças que avancem em relação à sua bolha ideológica – que, na prática, nem tão ideológica assim é.

O apoio de Bolsonaro é uma oportunidade, mas também um risco. O governador Ronaldo Caiado é de direita, prepara-se para lançar um nome à prefeitura da Capital, e não se fia em Bolsonaro; senador Vanderlan Cardoso, prefeitável do PSD, idem. Adriana Accorsi, a pré-candidata do PT, se agarra a Lula, mas busca compor com legendas diversas, mesmo fora da esquerda ou centro-esquerda. São exemplos de nomes que se movimentam em cenário imprevisível, mas que não se limitam à polarização dos últimos anos.

As convenções sempre funcionaram como definidoras de rumos para as legendas e grupos políticos. E nada mudou. Os tumultos do dia-a-dia e o cenário incerto não vão ganhar clareza nem em março, mês de janela para filiações, nem em abril, com as desincompatibilizações. O mais que se verá é ajuste de nomes e desenrolar de negociações. E a dúvida, esta sim, que se estenderá até outubro: o peso de Bolsonaro e Lula nas urnas. Para registro: a política nacional não costuma definir os resultados eleitorais locais. Era isso que parecia propenso a mudar, mas…

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...

Propósito

Procura-se um propósito. Não qualquer propósito. Um que faça mais do que ser um ponto no horizonte. Que carregue o peito com muito combustível,...
spot_img

Recentes

Relacionados