O vácuo político em Goiás e a crise de liderança na política

em

|

views

e

comentários

Há bons nomes na disputa pelas prefeituras. Pra mim, este é o princípio. Tem nome que vamos descobrir que é bom só depois de eleito. E aqueles que despontarão pelo tipo de campanha que vão fazer, embora percam. Esta é a lei natural da política. E sempre há esperança de quem torce para que o País melhore com o tempo a sua representação.

Que saia da piada pronta atribuída a Ulysses Guimarães na sequência ao comentário de um parlamentar, que disse ser o Congresso da vez o pior da história. “É porque você não viu o próximo.” O próximo, que seja melhor. Os próximos prefeitos, que sejam mais qualificados. Os próximos votos, que levem às urnas um eleitor mais consciente.

A falta de liderança é assunto corrente hoje. Falta de quem lidere com a cabeça e o coração, e não com o fígado. Falta de quem seja inspirador. Por muitos anos, tivemos uma polarização política estabelecida em Goiás: Iris Rezende com o MDB de um lado, Marconi Perillo com PSDB e legendas aliadas (a ocasião faz o comandante, às vezes) de outro.

Ronaldo Caiado, eleito e reeleito governador, sempre foi um representante político de força. Maguito Vilela, um quase-líder. Quem mais se destacou? Neste momento de vácuo no Estado, com o fim da velha guarda política e o espaço aberto para o novo, o que temos: o velho se foi, mas o novo não chegou. Quem se destaca com consistência?

Dá-se a isso a definição que quiser. Eu vejo oportunidade para quem ambiciona liderar o Estado. Porém, isso não é conquistado com discurso vazio, atos frouxos ou eventuais mandatos, mesmo que eles tenham o seu bojo perspectiva de poder ou estrutura de monta. Liderar é mais que sonhar sem noção da própria realidade – inclusive para modificá-la, moldá-la, adaptá-la aos novos tempos – e ter caixa.

Dinheiro e desejo de ser rei não garante reinado a ninguém. Nos próximos anos, teremos no País e em Goiás o estabelecimento de uma nova era, que já começou. E não existe espaço vago em política. Se os bons não tomarem o poder, seremos liderados pelos ruins – ou por maldosos. A oportunidade está aberta a todos, evidente. Aos políticos, independente do caráter, infelizmente; aos eleitores, por igual razão.

O poder que temos para hoje está provisoriamente ocupado. Mas o poder que permanece, este está lá, esperando o líder que o mereça de alguma forma. Que seja conquistado, mais do que votado.

* Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados