Quero uma prefeitura na porta da minha casa

em

|

views

e

comentários

Não quero muita coisa. Uma coisa que quero é uma prefeitura na porta da minha casa. Uma prefeita (ou prefeito) que não precisa me conhecer, mas que me reconheça e considere em cada decisão que tomar. Eu e todos os moradores da cidade, incluindo-se aí os pardais, os moradores de rua e os que sofrem com as chuvas. Convenhamos: ninguém merece sofrer de chuva; merece é desinundar-se.

Imagina termos um prefeito (ou prefeita) que vai no buraco quando não tapa as locas das ruas. Esse prefeito vai sofrer, vai querer reclamar para o prefeito, e quando descobrir que é o prefeito, vai agir como tal, e não falar como o tal. Vou trocar figurinhas com ele nas esquinas, e enquanto brincamos com o sol e a lua, as máquinas dançam na construção de escolas e postos de saúde. E as coisas funcionam, os servidores satisfeitos e a população bem atendida. Não tô sonhando acordado. Porque o prefeito que eu quero me permite dormir em segurança e em paz.

Quero uma prefeita (ou prefeito) que fale a minha língua, ouça o que estou dizendo, fale apenas quando não estiver fazendo e para dizer: Vou fazer; viu?: está feito. O que significa que na maior parte do tempo serem ambos, cidadãos, sem autoridade superior que não seja a minha, a dele, a sua, a nossa vontade. Penso que não preciso saber a religião, o time ou a cor da pele de quem faz por prefeita. Preciso ter o prefeito que eu quero na hora que precisar, bem no instante em que os ônibus ameaçarem parar e o esgoto sopitar de repente.

Quero uma prefeitura à imagem e semelhança de cada um de nós: com responsabilidade social, transparência nos seus atos e gastos, respeito ao patrimônio público e espírito público legítimo. Uma prefeitura antenada com as minhas necessidades urgentes e próximas o bastante para que eu possa olhar longe. Uma prefeitura digna do nome, e um prefeito (ou prefeita) que me orgulhe. Uma prefeitura que funcione na porta de casa, onde eu e 1,5 milhão de outros cidadãos vivemos a vida de verdade, bem distante da demagogia dos prefeitos de araque e palanque.

Quero sonhar. E sorrir depois. Por ora, vou deixando claro o que quero. Já disse o que quero, duas vezes por sinal. E você, diz pra mim: o que quer com o meu voto?

*Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados