Rogério Cruz, Republicanos, Vanderlan Cardoso, Adriana Accorsi e outras avenças eleitorais

em

|

views

e

comentários

Desde que o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, assumiu em definitivo a gestão, com a morte de Maguito Vilela, em janeiro de 2020, e principalmente depois que rompeu com o MDB, meses depois, a relação com o seu partido, o Republicanos, vive altos e baixos. A presença de nomes nacionais da legenda em cargos-chave da gestão, com incômodo claro do prefeito, só aumentou a percepção de aliados e da imprensa de que havia diferenças mal resolvidas entre as partes – e de que isso poderia terminar mal.

Ciúmes, disputas por espaço e outras avenças, mais o contexto político da época – Rogério dormiu vice e acordou prefeito, tendo que conciliar interesses do grupo que o indicou versus o dos emedebistas e maguitistas -, tudo contribuiu para o azedamento das relações dos ‘forasteiros’ republicanos com os goianos na equipe. Nesse meio tempo, recrudesceu também a relação do prefeito com os vereadores, aliados de primeira hora que, com o tempo, foram cobrando mais e mais espaços de poder.

No meio da guerra interna, do fogo amigo, dos embates com a Câmara, dos desgastes provocados por aqueles que deveriam protegê-lo, é que o prefeito foi tratando de administrar a cidade. Era como se Rogério quisesse trabalhar e pouco conseguisse. Isso explica em parte as avaliações baixas de sua gestão. Como sobreviver e ainda ficar bem aos olhos dos eleitores, aquele que não era para ser, mas de repente virou prefeito dos goianienses? E, pior: como sair-se bem se os principais adversários e inimigos não estavam lá fora, e sim dentro do Paço?

Rogério não teve um minuto de sossego. Como pode, vem se virando, livrando-se de uma crise com outra, acumulando novos desgastes e vendo sua imagem corroer-se. Assim, até chegar na contratação da consultoria do empresário e marqueteiro Jorcelino Braga. O que fez Braga? Um diagnóstico fino e um plano de trabalho para salvar a gestão e, possivelmente, viabilizar a reeleição de Rogério Cruz. O plano não é caminho fácil, porque a situação não é das melhores e o prazo urge. Para quem está no mandato com a imagem ruim, cada semana é um milagre a menos.

Na semana passada, a mão pesada do Republicanos exigindo melhor tratamento e espaços de peso na equipe administrativa, a cobrança dos vereadores também por mais espaços e o ultimato de Braga para que seu plano fosse logo colocado em prática, fizeram a temperatura no Paço Municipal subir. O prefeito, que vinha adiando uma anunciada reforma, resolveu agir. Marcou para esta semana uma coletiva que viria com novos auxiliares e a solução da crise instalada. Veio? Nem tanto.

O plano arquitetado para arrumar a gestão e abrir caminho para a reeleição foi iniciado. Parte dos vereadores foi atendida. Mas o conjunto da obra soou como tímido. O Republicanos, por exemplo, chegou a avisar, via seu presidente estadual, Hildo do Candango, que decidiu ficar fora da prefeitura. As negociações, porém, continuam. Rogério busca mais nomes para o secretariado e a retomada do diálogo com o seu partido, enquanto procura passar a ideia de que a vida segue, e para melhor.

Dá tempo?

Rogério Cruz tem convites de outras legendas para se filiar. No entanto, perder o Republicanos é poder perder no pacote o respaldo de sua igreja, a Universal do Reino de Deus. E aí? Entre os partidos que já o cortejaram está o PP. E não falta quem pense numa corrida ao União Brasil do governador ou ao MDB do vice. Será?

No contrapé dos problemas na base do prefeito, os outros pré-candidatos se mexem. Vanderlan Cardoso (PSD), por exemplo, é o nome da vez nas apostas de bastidores como favorito. Isso depois de o presidente da Assembleia, Bruno Peixoto (União), se apresentar para a disputa e sair a campo trombando inclusive com aliados, como Ana Paula, filha de Iris Rezende e Iris Araújo. Vanderlan entrou em conversas com o governador Ronaldo Caiado aproveitando o vácuo dos tropeços de Bruno.

Vanderlan conversa também com Daniel Vilela, que além de vice é presidente estadual do MDB e provável candidato à reeleição em 2026, com renúncia certa de Caiado. Certa porque o próprio Caiado falou disso. Na contabilidade dessa possível aliança: se Vanderlan vira prefeito, o seu primeiro suplente, Pedro Chaves (MDB), assume o restante do mandato. E ele deixando de ser candidato à reeleição em 2026, o caminho fica mais pavimentado para a provável candidatura ao Senado da primeira-dama, Gracinha Caiado.

O senador do PSD puxa um crochê que agrada a muitos e dificulta uma eventual absorção de Rogério caso este saia do Republicanos. Republicanos que, por sua vez, sem Rogério não teria problema nenhum em alinhar-se com Vanderlan e garantir espaço no poder depois de 2024, já que há boas relações entre o goiano e o presidente nacional do partido, Marcos Pereira. Caso Rogério e Republicanos se entendam, o que fica: ter o apoio do governador e Daniel será missão quase impossível.

À parte essas (des)amarrações há o PT cada dia mais animado com a pré-candidatura da deputada federal Adriana Accorsi. Adriana é nome natural e, de saída, já em empate técnico com Vanderlan nas pesquisas. E acrescente-se na história o PL, o Podemos, o PSB, o Patriota, o PSDB… Eles estão no jogo pra ganhar algo. Se não for a Prefeitura, que seja pelo menos parte, com divisão do poder já de antemão. Ah, o pragmático PP também.

Rogério não está fora da disputa do ano que vem. Ao contrário. Arrumando esse nó cego que o envolve, e seguindo a cartilha do plano alinhavado para a gestão e a reeleição, terá presença garantida. Como candidato ou, no mínimo, como protagonista da disputa. O caos que se vê neste momento pode ser a solução a caminho. Tudo depende mais dele do que de qualquer pessoa ou salvador da pátria. Rogério é o maior adversário hoje de Rogério, mas é também o maior aliado de amanhã.

*Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados