spot_img

Ronaldo Caiado e o bolsonarismo antes do petismo

em

|

views

e

comentários

Não se pode rotular o eleitorado apenas de bolsonarista ou não-bolsonarista. Palavras do governador Ronaldo Caiado à Veja. Este é o mundo que queremos, mas não é o mundo em que vivemos. Caiado é um dos mais prejudicados com esse rótulo, essa visão de País que vivemos na prática.

Seu projeto de ser candidato a presidente passa por aí, por um Brasil que não esteja centrado em ser ou não ser bolsonarista. Um Brasil amplo, em que direita, esquerda, centro e outras avenças se reconheçam e se enfrentem dialeticamente.

O bolsonarismo puxa o debate para o enfrentamento com o PT. Essa dualidade é uma de suas bases de sustentação. O PT existe antes do bolsonarismo. Já enfrentou a direita e a centro-direita. Mas, hoje, também se beneficia do dualismo, de certa maneira. Então, ajuda a alimentar o monstro do embate de vida e morte que nos segura perdidos no tempo.

Na arena racional das diferenças de ideias e ideais, Caiado tem coluna vertebral considerável. É um homem de contendas. Um político de pensamento e ação. Como o é o presidente Lula e o PT na essência. Como são outros políticos quando despidos da capa e espada do bolsonarismo.

O tipo de Nação que queremos é uma questão maior que a falsa defesa da liberdade feita por aqueles que só a entendem com a obediência absoluta de suas concepções e valores. O STF não pode prender a manifestação livre da opinião e da manifestação, mas deve permitir a dilapidação da imagem e do patrimônio público. A prática não bate com a teoria.

O bolsonarismo não é campo fértil para Caiado crescer. Nos últimos anos, ele vem lutando contra isso e buscando uma alternativa. Do jeito que está, precisa engolir seco o que não lhe cai bem para prosperar com seu sonho. O bolsonarismo é, enfim, uma realidade contra a qual não há argumento, porque não se movimento por aí.

O bolsonarismo é a massa de soldados necessária para Caiado. O exército imprescindível. A concessão que terá de ser feita para o objetivo maior. Com um adendo: será correspondido? Será seguido? Será carregado em andor, mito que não é, por espaço já ocupado e delimitado pela desrazão do séquito?

Ronaldo Caiado, candidato de direita, precisará de Lula ou outro, de esquerda, com quem lutar. Mas, antes, terá de vencer o bolsonarismo para chegar lá, à candidatura robusta, com discurso e exército. E isso quer dizer cooptar, e não derrotar o bolsonarismo. Cenário realista?

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Central de Finanças tira dúvidas de contribuintes no 5º Mutirão de Goiânia em 2024

Entre serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Finanças aos moradores da Região Noroeste estão atualização cadastral, emissão de boletos, verificação de processos e outros...

Negocie Já: Governo de Goiás renegocia R$ 1,5 bilhão em dois meses

Balanço parcial aponta participação de 80 mil contribuintes; prazo de adesão termina em 29 de julho O programa de regularização de débitos de ICMS, IPVA...

O que diz o amor

Nenhuma discussão de amor esgota o assunto. Sempre haverá o que faltou dizer ou o que foi dito a mais. Uma ponta de desentendimento...

Recentes

Relacionados