Ronaldo Caiado para presidente?

em

|

views

e

comentários

O objetivo maior hoje do governador Ronaldo Caiado (União Brasil) é a disputa pela presidência da República. Isso está público e pacificado em Goiás, onde ele conta com avaliação alta (acima de 70%, segundo pesquisa recente) e palanque sem oposição. Como se diz em política, seu caminho está asfaltado e com pista dupla. Mas, isso é no Estado. A coisa pega quando a divisa é cruzada.

Caiado precisa de pelo menos duas coisas básicas para se firmar nacionalmente como candidato a presidente. Uma é um partido sólido, com espaço político, tempo de TV e força suficiente para lhe dar sustentação. Pode ser o União Brasil, onde já está. Pode ser o PL, para o qual já acenou. Ou o Republicanos, de quem já teve aceno. O governador está costurando, conversando e buscando esse chão. Nada garantido ainda. Longe disso, por sinal. Mas, não dá para subestimar sua capacidade de articulação. Possível, é.

A outra coisa que Caiado precisa é de discurso. Naturalmente ele tem no agronegócio seu brado retumbante. Foi representando o setor que ele disputou a presidência lá atrás, no nascedouro da UDR, a União Democrática Ruralista. Mas é preciso mais. Ser presidente da República não é levantar bandeira para ruralistas. A corrida pelo discurso está posta como desafio e como necessidade. Para Caiado, a importância é maior porque o espaço na mídia nacional abre portas, mesmo com os bolsonaristas, que tem seu próprio modus operandi na comunicação, mas que bate e rebate na mídia tradicional.

Eis o nó. Caiado precisa de pautas fortes e visibilidade ampla e é bom em transformar mar calmo em tempestade, porém, isso, desmedido, é igual aqueles galhos de árvore que você enverga e depois solta, voltando com tudo. A estilingada pode ser fatal. Quando o governador briga para mudar a pauta da economia, ele está pensando e agindo grande, no campo das ideias e posicionamentos. É uma questão de todos e institucional. Quando, no entanto, sobe o tom contra um desembargador que defendeu o fim da Polícia Militar, está cavando manchetes – ou cova própria.

O tema é populista, mas não é popular. Para os bolsonaristas, é prato cheio. Caiado acerta na mosca com a defesa da PM infinitamente mais do que com a queda de braço na economia. Ocorre que o sentimento em relação à PM não é unânime. Respeita-se o trabalho dos policiais, assim como teme-se talvez na mesma medida esses mesmos policiais. Em Goiás, as mortes de bandidos são comemoradas e pouco faladas pela população, e o governo não mostra com precisão as estatísticas. Quer dizer: cobrado na transparência, pauta nacional, o que dirá Caiado?

O foco das atenções numa eleição presidencial é diferente de uma campanha municipal ou estadual. Contratação de parentes no governo (Collor, o caçador de marajás), corrupção ou suspeitas, empresas ou amigos favorecidos mesmo fora da administração pública, respeito à liberdade de pensamento e opinião, respeito ao trabalho da imprensa, coerência entre o discurso e a prática, transparência, preparo emocional… tudo isso entra na conta do que é esmiuçado e levado ao eleitor, de forma honesta ou não (eleição é guerra de versões e narrativas) para definição de seu voto.

Por esse nível de escrutínio e exposição só não passam os candidatos vistos como sem chance de crescimento e vitória. Se o candidato está na disputa, ele é alvo. E aí é responder, prestar contas à população. Não adianta espernear, gritar, bradar moralidade e honradez porque, normalmente, como no caso dos afogados, quanto mais esperneia, mais afoga. Certo, os bolsonaristas seguem outra regra: eles confundem, procuram inverter a pauta, saem pelo buraco da fechadura. Mas Caiado, que é o ponto aqui, será candidato bolsonarista, fazendo o jogo dos bolsonaristas?

Na pré-campanha, com o nome posto na disputa, o pré-candidato, já está sob observação. Ainda que a visibilidade não seja ampla, os olhos do público que vive de política estão voltados para ele, porque todos estão sendo estudados e medidos. A imagem está em construção. E que imagem/perfil o eleitor de 2026 quer para suceder Lula? Lula será ou não candidato? Qual o melhor posicionamento para quem quer ser candidato e não tem ainda garantia de que será? Como não jogar fora um patrimônio político de décadas com atitudes que, na província, são consideradas positivas – como a tese bandido bom é bandido morto -, mas que expostas nacionalmente revelam mais autoritarismo do que republicanismo? Dão mais medo do que respeito.

Ninguém espera de um pré-candidato que mude seu caráter e princípios para agradar eleitores. Porém, vivemos tempos estranhos. Parece que nunca foi levada tão a ferro e fogo a ideia fixa de que é preciso agradar o eleitor. Só que isso feito segundo a noção de cada um, ou de acordo com os conceitos e a prática daquele que desponta, como Bolsonaro despontou de repente em 2018. Há diferença grande em ir com a manada e abrir picada própria. E a perspectiva real de que cada eleição é outra eleição – ou seja, tem suas características e cacoetes próprios, demandando estratégia e comportamento adequados.

Caiado tem uma oportunidade única de disputar a presidência. Mas não é sendo o Caiado deputado federal e senador, ou o Caiado governador de Goiás, que chegará lá. Vale a sabedoria popular: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Simples assim. Difícil assim. A competência política, o tino, a visão estratégica do governador goiano, estão bem afiados. Isso só não quer dizer que tudo que ele faz só tem consequências positivas. Comunicação é muito mais do que intenção; é percepção. A família Caiado, em Goiás, tem História. E histórias. Para a família, é uma; para o senso comum dos goianos, é outra; e para o Brasil, como será?

* Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados