Ronaldo Caiado X Marconi Perillo

em

|

views

e

comentários

Como diz um amigo, Ronaldo Caiado (União Brasil) e Marconi Perillo (PSDB) voltaram a coisar. Nunca deram certo, por que agora iriam andar de braços dados?

Em 1998, Caiado foi um dos avalistas do jovem candidato a governador Marconi. Candidato a presidente, candidato a governador na eleição anterior, com nome de família que arrepia de ponta a ponta no estado há décadas e décadas, Caiado postava-se na traseira da caminhonete de modo a permitir que as pessoas pudessem dizer: olha lá, o Marconi é aquele ao lado do Caiadão – e da Lúcia Vânia, completavam.

Sim, Lúcia Vânia também fora candidata a governadora, primeira-dama (Irapuan Costa Júnior, conhecia e conhece Goiás e Goiás, idem).

Nunca foram amiguinhos. Em 2003, com o esvaziamento do PFL feito por Marconi, a relação que era meio lá, meio cá, desandou.

Depois, em 2010, Marconi precisou do PFL para voltar ao governo, e só obteve o apoio necessário à reeleição porque o então senador Demóstenes Torres não deixou o partido abandoná-lo e ainda emplacou o vice, José Eliton.

Caiado fez campanha própria por mais um mandato de deputado federal. Não atrapalhou, mas também não suou a camisa pelo tucano.

Daí em diante a relação só piorou. Embora tenham integrado juntos a oposição que venceu o (P)MDB em 1998, tornaram-se opositores pessoais. Adversários. Com pinta de inimigos.

As duas derrotas de Marconi para o Senado já tiveram Caiado do outro lado da trincheira. E assim que assumiu o governo, a ordem caiadista para sua equipe foi levantar o tapete dos malfeitos do tucano e levar tudo à Justiça.

Nada estranho, portanto, que os dois não se biquem. Que chutem a canela um do outro. O curioso é ver como Caiado eleva o tom toda vez que fala dele. E vice-versa.

Olha o que disse ao Popular no domingo sobre o ex-governador: “É um canalha corrupto. O cidadão roubou a saúde de Goiás toda. Assaltou o Estado. Se enriqueceu e manteve a família com grandes patrimônios no exterior, tá certo?”

(O “tá certo” é cacoete de Caiado que o entrevistador, a Rubens Salomão, e seus editores muito bem mantiveram. Dá pra ouvir o governador falando, puxando os cantos da boca e abrindo os olhos com força).

A irritação – para dizer pouco – de Caiado está no questionamento do tucano ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ao Ministério Público Estadual (MPGO) sobre o formato de contratação para construção do Complexo Oncológico de Referência de Goiás, o CORA.

A resposta de Marconi no mesmo Popular: “Ladrão e corrupto é quem está gastando R$ 2,4 bilhões, com dinheiro público, sem licitação e em total afronta à Constituição. Esse destempero todo é para tirar o foco, fazer uma cortina de fumaça sobre esse gasto exorbitante que ele está fazendo, sem licitação.”

Vamos entender: o CORA é a obra por excelência de Caiado, que almeja algo como o Hospital de AMOR, o hospital de câncer de Barretos. Sua marca concreta pra ficar na história.

E a correção moral é o discurso de resistência de sua vida. Assim como o discurso de morte contra Marconi está fincado exatamente em apontar a falta de moral do tucano para sequer criticá-lo.

Importante recordar que Marconi também é adepto da pauta da moralidade. Sempre se coloca acima do bem e do mal, julgando e apontando o dedo na suposta imoralidade alheia.

Acertou no calcanhar de Caiado, que reagiu como reagimos quando chutamos com o dedinho do pé a quina do pé da mesa. Sentiu? Desgraça pouca é bobagem.

Há quem veja espetáculo de Caiado nas reações de Marconi. Marketing, no sentido de mostrar indignação como forma de apontar corrupção máxima do adversário. Pode ser. O tucano também faz pose? Pode ser, pode ser.

Marconi teve uma oportunidade de ouro nessa história. Teve um palanque para subir e chamar de seu. O problema é que ele, desde que foi ao chão das derrotas, toda vez que sobe numa cadeira que seja, cai. Não tem aproveitado as chances políticas que a vida ultimamente lhe dá. Dessa vez acerta? Pode ser. E Caiado, errou? Pode ser, pode ser, pode ser.

Caiado X Marconi é a última grande contenda da política goiana que vem do século passado, do ciclo histórico que estamos vendo terminar.

*Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados