Sucessão Goiânia: Adriana Accorsi, Vanderlan e Rogério Cruz devagar; Gayer e Caiado no atropelo

em

|

views

e

comentários

A largada da pré-candidata à prefeita de Goiânia pelo PT, deputada federal Adriana Accorsi, foi promissora. Nas primeiras pesquisas, ela revezava com o senador Vanderlan Cardoso (PSD) no primeiro lugar. Os outros nomes, incluindo o do atual prefeito, Rogério Cruz, apareciam bem atrás. E não havia sinal de nome bolsonarista no horizonte, a não ser Vanderlan, então ainda identificado com o ex-presidente Jair Bolsonaro e que, a exemplo de Adriana, reluzia espontaneamente como nome pra ganhar. Até um pouco mais forte, nas apostas. Isso foi ano passado.

De lá pra cá, Vanderlan passou a ser inimigo dos bolsonaristas, deu indicações de não ser candidato para apoiar justamente Adriana, e já voltou ao discurso de ser ou não ser. Até outro dia Adriana e Vanderlan estavam amarrados nessa história de possível aliança entre os dois e empacados nas articulações com outros partidos e nas ações de confirmação de candidaturas próprias. São aliados, mas não são; apontam ser candidatos, mas mostrando pouca ação e reação. Velha história. Mais do mesmo. Hoje, a maior novidade na disputa tem nome e sobrenome de incógnita: o bolsonarista Gustavo Gayer.

Gayer no jogo cria fato novo: ele e as diatribes do bolsonarismo, que as pesquisas divulgadas atestam ocupar amplo espaço na mente e no coração do eleitorado goiano. Senhor da extrema-direita, caso consiga o engajamento dos mais à direita e ao centro, Gayer naturalmente estará em um dos polos da disputa. Ele, de um lado, Adriana e Vanderlan – e quem mais aparecer – disputando um lugar do outro lado. Coloque-se na conta do “quem mais aparecer” uma candidatura que tem potencial pra chegar chegando: aquele que tiver o apoio do governador Ronaldo Caiado, presidente do União Brasil, e de seu vice, Daniel Vilela, presidente do MDB.

Gayer não tem nada a perder e tem chance de ganhar. Falam – essas vozes que pregam o apocalipse ou o paraíso político sempre que se veem em uma roda de conversa – que ele poderá nem estar na disputa, por razões várias: será cassado, perderá os direitos políticos etc. Pode ser. Porém, a questão aqui nem é ele como o escolhido do Bolsonaro. Qualquer um que tiver a unção do ex-presidente e de seu grupo carrega na bandeja um poder de fazer campanha e arrebanhar votos digno de deferência especial. Está no jogo, não está para brincadeira.

Juntos e misturados em claudicante estratégia e na indefinição pragmática de ações de rua e campo para se fortalecerem, Adriana e Vanderlan continuam contando apenas com a propulsão inicial, o chamado recall, o conhecimento de seus nomes pelos eleitores por terem disputado eleições recentemente. Um capital político digno, porém, que não rende dividendos sozinho. Ao contrário. Enquanto patinam no espaço da largada, Gayer e o bolsonarismo ocupam seus espaços; Caiado e Daniel preparam-se para ocupar mais espaço.

‘Mais’ porque Bruno Peixoto, presidente da Assembleia, abriu picadas com sua pré-candidatura até que Caiado o mandasse aquietar-se e recolocasse em campo o ex-prefeito de Trindade, Jânio Darrot. Caiado quer fazer história, fazer o que Marconi Perillo, quatro vezes governador, não conseguiu: no governo, eleger o prefeito da capital. Ele está, portanto, com a faca nos dentes. Assim como o bolsonarismo, que quer retornar ao Poder em Brasília. Para além de motivados, estão em ação e armados de estruturas relevantes: a de governo e a do bolsonarismo. Com um diferencial: o governador, hoje disposto a lançar um nome próprio à prefeitura, pode muito bem optar por seguir com um candidato – Gayer ou não – que tenha o DNA do bolsonarismo.

E aí serão duas máquinas trabalhando juntas, além, quem sabe, da do MDB, outra máquina eleitoral dentro de Goiás. Três, pois. Contra quem? Que se saiba, contra Adriana e Vanderlan – separados em trincheiras próprias, é a nova informação -, e contra o resto. No balaio do resto entra, por exemplo, o PSDB – em tese com quatro pré-candidatos e na prática, nenhum. PSDB que se coloca nacionalmente como estratégico adversário do PT; Vanderlan que não sabe se mantém o odor bolsonarista ou assume o cheiro lulista; e Adriana com o PT, que nega aliança agora com Vanderlan e pode ir a campo como favorito, mas jogar com time próprio sem reforços.

E não esqueçamos do atual prefeito, Rogério Cruz (Republicanos), cada dia mais sozinho e com uma máquina que não controla. Onde Rogério buscará alianças? Quem vai querer assumir o seu desgaste? Rogério tem ainda a expectativa de ser o candidato do governador. Seria a união de uma avaliação altamente positiva, a de Caiado, com outra grandemente negativa, a de Rogério. Noves-fora a dificuldade política dessa união hoje – nada mostra proximidade de projetos -, o que teríamos? Neste momento, as consequências de Rogério não ser candidato e mostrar simpatia ou apoiar alguém são mais relevantes, para se imaginar o resultado da eleição, do que ele ser candidato a ferro e fogo. Pesa mais tê-lo a favor do que contra.

Nesta altura do campeonato eleitoral, o posicionamento estratégico é retumbante. Muitas vezes as estruturas de campanha não ajudam por falta de profissionalismo. Mas há que se considerar o reverso da moeda: quem menos se ajuda são os candidatos. Eles são os mais amadores quando se pretendem infalíveis articuladores. Não seguem orientação, andam a esmo, tropeçam na ignorância (arrogância também). Veja Rogério Cruz. Ele faz campanha boca a boca, dizendo ser pré-candidato, mas na prática nem time tem pra entrar em campo. Amarrado na fé, com fé grita. Quem sabe conte com o milagre da multiplicação dos pontos ou com a expulsão de todos os adversários para, enfim, ganhar por W.O. O problema é o eleitor, que não apita, mas joga.

* Texto publicado pelo Diário de Goiás

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados