Vai na fé que eu vou na crônica

em

|

views

e

comentários

Tem alguém querendo apostar corrida comigo na crônica. Coisa boa. Enquanto ele corre, eu tomo sorvete sentado na calçada com os bolsos cheios de bolinha de gude. Tenho mais o que fazer. Jogar confete nas andorinhas tem urgência primordial. E depois, catar jabuticaba e jogar no pandu. Correr, só o correr dá pena e das casas que tem muro alto entre minha agonia, a sinfonia dos amigos, e as mangas impossíveis. Essas são as melhores.

Não há lugar melhor para ser criança do que na crônica. E voar. Os voos são rasantes, cheios de volteios, e serenos também, depois das nuvens. Eu nunca voo menos do que eu sonho. Eu sempre vou mais longe do que posso. Na crônica, eu quebro telhas sem quebrar as pernas, olha que frase bonita. Em outro lugar, eu quebraria pernas, braços e o pescoço. Uma loucura imaginar o mundo sem os mata-burros. Sem crônica, não tem vida que se suporte.

Mas nada disso tem a pressa que o camarada que está cavalgando na volúpia da chegada carrega na garupa. Boa mesmo é a toada de uma palavrinha suada aqui, uma virgulazinha irregular ali, e até um pontinho de nada fora. Do lugar. Nesse caso, acelerar explode as acentuações dramáticas e as interpretações drásticas que rimam com profundidade de suspiros. Que necessidade é essa de se chegar logo ao ponto final?

Deixem a crônica fluir. Ela está bem acompanhada de mim, com esta saborosa ilusão da escrita, e de você, que a lê. Ter escrito é o melhor dos mundos; ter um leitor, o maior. O encontro nesta exata sentença é que importa. Se me apresso, chego, mas só chego, vírgula só. Vamos calabouçar juntos, ora essa, ou cada um a seu tempo, caindo, escorrendo no poço fundo. Ir mais fundo ainda. Até o último gole de suor. Até dizer chega – mas não para. Até ser substantivo, até virar adjetivo. Verbo não é tudo nesta vida.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto.

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados