A comemoração do Natal

em

|

views

e

comentários

Origem do Natal

Em sua origem, o Natal é considerado um feriado cristão. Com o passar do tempo, no entanto, foi disseminado para fora do âmbito religioso. Atualmente, o Dia de Natal é feriado em quase todos os países do mundo e, independentemente da religião, todas as pessoas celebram a festividade à sua maneira, segundo os costumes de sua família, de sua região e de seu povo.

Mas seguindo a tradição, o Natal continua sendo conhecido como a data do nascimento de Jesus Cristo e se trata de uma celebração típica da religião Católica.

Para melhor entender como nasceu o Natal, imperiosa se torna a informação de que no século III d. C. a Igreja desenvolvia um trabalho missionário de conversão dos povos pagãos, a fim de que passassem a comemorar o nascimento de Jesus e com isso aderissem à prática do cristianismo. E nesse afã, com o passar do tempo nasceu a Festa de Natal.

Escritos confiáveis mostram que as antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, tendo em vista o entendimento de que este foi o tempo em que os três reis Magos levaram para entregar os presentes ao menino Jesus.

O aniversariante do Natal

Apenas por curiosidade, como vai ser a comemoração do Natal na sua casa? Mesa farta, bebidas à vontade, convidados selecionados… A família vai estar reunida? Os presentes já foram providenciados? Quem não gosta de ganhar presentes, né! Mas, cuidado com os exageros da máquina econômica e do consumo!

Olha, não se esqueça de que o Natal é o aniversário de Jesus!… Ele é o convidado de honra. Fazer o Natal e não chamar Jesus para participar é, no mínimo, um contrassenso, uma falta de consideração muito grande, não é mesmo?

Então, vamos combinar o seguinte: Se seu Natal será farto, deixe Jesus participar da festa na sua casa, por que não!… Se seu Natal será humilde, sem mesa farta, não tem importância, reúna a família e chame Jesus para participar da festa. Ele também é humilde. Ele também foi uma criança pobre. Natal sem oração não fica completo.

O nascimento de Jesus

Maria e José encontravam-se ao sul da cidade de Belém. Não conseguiram hospedagem em nenhum lugar. Não distante dali, a claridade da lua permitiu-lhes enxergar uma pedra. José foi verificar de perto. De repente, não conteve um grito de alegria. Havia encontrado uma gruta, bastante ampla, que parecia servir-lhes de abrigo por aquela noite. Deram graças ao Céu. E Maria, apoiando-se nos braços de José, sentou-se ao fundo da incômoda hospedaria.

E ali Maria deu à luz o Messias prometido, o Rei dos reis, o Filho de Deus. A criança foi colocada na manjedoura. E a Mãe, prostrando-se-lhe aos pés, adorou o Enviado de Deus, no que foi acompanhada por José.

A noite era fria, e a gruta, úmida e escura. Todavia, um boi e o jumento que transportou Maria aqueceram o Menino com o calor de seus hálitos. Ela derramava lágrimas de alegria e conversava com o recém-nascido, indagando-lhe carinhosamente se devia chamá-lo Deus, mesmo tendo Ele um corpo de carne; se devia oferecer-lhe o leite materno; se devia prestar-lhe os cuidados maternos ou servir-Lhe como escrava.

Símbolos do Natal – O Presépio

Normalmente, o Natal é feito de muitos símbolos, com enfeites, árvores de Natal, decorações natalinas, músicas natalinas e o presépio. Tudo isso para simbolizar o nascimento de Jesus.

Outro símbolo muito importante é o Papai Noel, que foi inspirado num bispo chamado Nicolau, nascido na Turquia, e que costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das suas casas. Nicolau foi consagrado santo (São Nicolau) pela Igreja Católica, após várias pessoas relatarem milagres a ele atribuídos.

Sobre o presépio, trata-se de uma criação de São Francisco de Assis, no ano de 1223. Ele montou o primeiro presépio em uma gruta, na Itália. À época, a Igreja não permitia a realização de representações litúrgicas nas paróquias, mas São Francisco pediu a dispensa da proibição, para relembrar ao povo a natividade de Jesus Cristo. O objetivo era facilitar a compreensão do nascimento de Jesus.

No Brasil, a cena do presépio foi apresentada pela primeira vez aos indígenas e colonos portugueses em 1552, por iniciativa do padre José de Anchieta. Cada figura do presépio tem a sua importância:

Os animais: Representam a natureza a serviço do homem e de Deus.

Pastores: Depois de Maria e José, os pastores foram os primeiros a saberem do nascimento do Salvador. Os pastores também simbolizam a humildade, pois naquele tempo a profissão de pastor era uma das menos reconhecidas.

O anjo: Representa o céu que celebra o nascimento de Jesus.

Estrela: Simboliza a luz de Deus que guia ao encontro do Salvador e orientou os Reis Magos, indicando onde estava Jesus.

Reis Magos: Belchior, Gaspar e Baltazar eram homens da ciência. Conheciam astronomia, medicina e matemática. Eles representam a ciência que vai até o Salvador e o reconhece como Deus. Segundo São João Paulo II, “a verdadeira ciência nos leva à fé”, pois nos revela a grandeza da criação.

Ouro, incenso e mirra: São os presentes que os magos oferecem ao Menino Jesus. O ouro significa a realeza; era um presente oferecido aos reis. O incenso significa a divindade, um presente dado aos sacerdotes. Sua fumaça simboliza as orações que sobem ao céu. Dando este presente a Jesus, os magos reconhecem que o Menino é divino. E a mirra simboliza o sofrimento e a eternidade. É um presente profético: anuncia que Jesus vai sofrer, mas também que seu reinado será eterno.

São José: É o pai adotivo de Jesus, o homem que o assumiu como filho, que lhe deu um nome, um lar, que ensinou a Jesus uma profissão: a de carpinteiro. São José deu ao Menino Jesus a experiência de ser filho de um pai terreno.

Maria: É a Mãe do Menino Jesus, a escolhida para ser a mãe do Salvador. É aquela que disse ‘sim’ ao chamado de Deus e por ela a humanidade recebeu Jesus.

Menino Jesus: É o Filho de Deus que Se fez homem, para dar sua vida pela humanidade. “Sendo ele de condição divina, não Se prevaleceu de Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens” (Filipenses 2, 6-7).

***

NOTA: Prezado leitor! Nosso desejo é que o seu Natal seja comemorado juntamente com sua família e com todos os seus entes queridos, num ambiente repleto de alegria e paz, de respeito mútuo, de amizade e oração, com a presença constante do Menino Jesus. Feliz Natal!…

*Texto publicado pelo Diário de Goiás

Elson Oliveira
Elson Gonçalves de Oliveira foi professor de Língua Portuguesa, é advogado militante e escritor, com vários livros publicados.
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados