spot_img

Boa gestão não é o que parece

em

|

views

e

comentários

Não basta entender o eleitor, é preciso sentir a sua dor. O que se passa no coração da mãe que não consegue matrícula para seu filho na escola do bairro, ou que vive o pesadelo de nem ter uma creche próxima de onde trabalha, ou ainda que não encontra médico no posto, é mais importante do que planejar o futuro da cidade porque sem o sentimento dessa mãe futuro nenhum valerá a pena se não tiver coração.

Bom gestor (boa gestora) não é o que planilha, é a capa. De se colocar no lugar do outro e da outra pra absorver desde a raiz da alma o que se passa na superfície do dia a dia. Boa gestora (bom gestor) compreende, acolhe, tem empatia e sensibilidade na hora das tragédias, e antes, na prevenção, no dia após dia dos dias difíceis da vida dos cidadãos do centro e da periferia.

Competência empresarial sem espírito público talvez até faça uma cidade maior; melhor, raramente. Quando as pesquisas qualitativas apontam que a população quer um bom gestor, não tá falando de sabedoria social, capacidade de ver, ouvir e traduzir em conquista para todos o que é demanda e desejo de cada um. Cada um faz toda a diferença na soma geral da vida em comum.

Gestão que importa não é espetáculo à parte, ou picadeiro de influenciar. Separar os grandes dos engraçadinhos não é obra para algoritmo. Perigo corre a gente que vota em um nome e é governada por seu ego. As dores da população se sentem no ar, no papo sincero, na humildade dos grandes gestos humanos. Boa gestão não é o que parece; é a que é. As grandes obras ficam; os transtornos desumanos passam, mesmo que eventualmente cheguem lá.

Depois da eleição

O que Lula fez por seus candidatos em Goiás? O que Bolsonaro fez? O que Caiado já fez? O que vão fazer? Essa é uma discussão sem fim no Estado. E continua questão menor diante do que importa: o que os seus candidatos estão fazendo por si próprios?

Volto sempre nesse assunto porque me espanta como a pauta de especulação nacional ocupa mais espaço no imaginário e no noticiário do que a urgência local.

Como se aquele ou aquela que ganhar pudesse prever um governo sem a existência dos perdedores. Eleitores votam, não perdem nem ganham. Passada a eleição, somos todos públicos e democráticos. Ou não?

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Central de Finanças tira dúvidas de contribuintes no 5º Mutirão de Goiânia em 2024

Entre serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Finanças aos moradores da Região Noroeste estão atualização cadastral, emissão de boletos, verificação de processos e outros...

Negocie Já: Governo de Goiás renegocia R$ 1,5 bilhão em dois meses

Balanço parcial aponta participação de 80 mil contribuintes; prazo de adesão termina em 29 de julho O programa de regularização de débitos de ICMS, IPVA...

O que diz o amor

Nenhuma discussão de amor esgota o assunto. Sempre haverá o que faltou dizer ou o que foi dito a mais. Uma ponta de desentendimento...

Recentes

Relacionados