Bruno Peixoto versus Ronaldo Caiado

em

|

views

e

comentários

Permitam-me insistir em um ponto. O maior erro de cálculo dos aliados do governador é não levarem em conta seu projeto de ser candidato a presidente da República. Com a alta popularidade dele, com sua conhecida forma dura e agressiva de fazer política, com sua coragem e o tempo cada vez menos propício a esperar novas oportunidades para realizar o sonho, ele se leva muito a sério para estar de brincadeira. Pode não ser candidato, mas que vai lutar por isso, não há dúvida.

A ênfase aí tem um propósito: mostrar que os sinais dele evidenciando a importância dessa candidatura são fartos. E reiterados, porque a todo instante, nos últimos anos, ele tem deixado claro o objetivo. Difícil entender, portanto, é por exemplo, que Bruno Peixoto ignore isso ao levar adiante o seu projeto de ser prefeito de Goiânia da forma como está levando. Legítimo Bruno querer ser prefeito. O que pouco se compreende é colocar a sua pretensão como uma pedra no caminho de Caiado.

No meio do ano passado, a pressão em cima da filha de Iris Rezende, a Ana Paula, para que desistisse de ser candidata resultou em ataques diretos a ela e o definitivo distanciamento de ambos. Estava claro que esses ataques partiam de aliados de Bruno. E para quê? Acelerar uma decisão que, primeiro, a Caiado não interessava – ele mostrava querer tempo exatamente para tocar o projeto nacional – e que na prática nada mudaria, como não mudou, em termos de consolidação de candidatura da base governista?

Ana Paula era pré-candidata não por motivação própria. Era porque se via incentivada por Ronaldo Caiado e seu vice, Daniel Vilela. Ao forçar a barra, Bruno já começou desagradando não a Ana Paula, que se retirou da disputa e foi tocar sua vida, mas aos presidentes, que também são, do União Brasil e MDB – governador e vice. Só isso. Imaginem. Desde esse momento o governo, por meio de vários interlocutores em contato direto com a imprensa e aliados de partidos variados, tem deixado claro o descontentamento com Bruno, com a sua atitude e a sua pré-candidatura.

Incentivado por outros deputados e assessores próximos, o que Bruno fez? Acelerou o passo e começou a correr como um trator, ocupando espaços na imprensa, fazendo o tipo popular, criando fatos com memes e declarações sob encomenda, indo aos bairros com uma estrutura gigantesca, tudo em nome de uma só coisa: a prefeitura de Goiânia. Bruno é hoje mais candidato a candidato a prefeito do que presidente da Assembleia Legislativa. Basta olhar sua agenda divulgada, suas redes e seus posicionamentos.

Nesse meio tempo, foram inúmeras as notícias vazadas do Palácio reiterando o descontentamento do governador com toda essa movimentação. Notícias de conversas de Caiado com ele, encontros reais, a pauta da insatisfação palaciana foi o que mais alimentou os bastidores. Até a viagem para a China, quando consta que uma conversa decisiva foi feita entre o governador e seu presidente. Nas primeiras horas depois da viagem, Bruno até pareceu recuar. Mas isso durou pouco. Recentemente, outra conversa dura foi assunto de vários governistas e deputados, todos dizendo que seria definitiva. Não foi.

O pai de Bruno Peixoto, vereador Tião Peixoto, expressou toda a raiva com o veto de Caiado ao nome do filho para prefeito e a possível escolha de Jânio Darrot para representar a base aliada. Misturando desafio e ameaça, Tião provocou Caiado a deixar Bruno sair do União Brasil para ser candidato a prefeito. Porque tem isso ainda: Bruno não tem janela para desfiliação agora e depende de Caiado em todos os níveis para disputar a prefeitura. Só a anuência do governador pode fazer dele candidato pela base governista ou por outra legenda. Sem isso, o filho de Tião vai gritar no vazio e nem o próprio eco ouvirá.

Bruno Peixoto usa com Caiado a estratégia de cutucar a onça com vara curta. Com Caiado não se brinca, nesse ponto. Quando mais fustigado, mais Caiado reage com força e facão. Ele arrocha, não bambeia. Todas essas frases feitas são verdadeiras, quando o assunto é Ronaldo Caiado. E quem não sabe? Se tudo isso é sabido e confirmado, por que cargas d’água Bruno resolveu, em vez de fazer política, peitar Caiado? Essa é a pergunta que mais se ouve quando um ou mais estão reunidos em nome da eleição deste ano.

O que mais se vê nessas horas é outra coisa. Uma grande torcida por Bruno Peixoto. Mas não uma torcida para que ele derrote Caiado, porque nisso ninguém acredita. É a torcida dos que querem se divertir vendo o circo pegar fogo. É o incentivo dos que estão calados esperando que Bruno provoque cada vez mais Caiado. É a geral pagando de torcida organizada para empurrar os jogadores para o fosso. Por um lado, comemora-se por antecipação o racha na base provocado por Bruno; por outro, a dor de cabeça em Caiado, que tem que olhar pra baixo quando deveria estar olhando para cima.

Da mesma forma que repete que quer disputar a Presidência, Caiado fala que quer vencer em Goiânia e conseguir um feito que outros governadores não conseguiram, que é eleger o prefeito da Capital. E ele tem capital político hoje e um governo motivado para alcançar este feito. Não é com birra e picuinha, porém, que isso será construído. Bruno tem a oportunidade, pois, de se colocar à altura da missão. Troca a grandeza da articulação esperta pela esperteza da tentativa da imposição de seu nome por conta de estar em posição política privilegiada: a presidência da Assembleia.

Se não combinar com os interesses do governador, Bruno continuará batendo a cabeça na parede. Somará mais descontentamento dos governistas, incluindo o MDB, do que compreensão e engajamento. E por fim correrá o risco, sendo verdade ou não, de ser o responsável por uma crise que culminará na derrota dos governistas e o fracasso da candidatura de Caiado a presidente. Ou acredita que terá mais fôlego de comunicação para se vender como vítima contra a estrutura do governador? Nesse caso, se acredita, nada a dizer.

Basta lembrar o destino da grande maioria dos presidentes da Assembleia para ver que Bruno tem outra sina com que se preocupar: para onde foram os colegas que o antecederam no comando da Alego? Ser presidente da Casa está mais para fim de linha do que para ascensão política.

* Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados