Caiado e Daniel Vilela jogam sem oposição

em

|

views

e

comentários

Não há oposição em Goiás. Vivemos no vácuo entre uma velha e uma nova geração política. Como não há (ainda) líderes de ponta na nova fornada, não há opositor a quem está estabelecido tem tempo na ponta de lança governista. Ronaldo Caiado está só, com 86% de avaliação positiva.

No cerradão goiano, Ronaldo Caiado (União Brasil) vem eliminando todos os focos de incêndio que poderiam abalar sua estrutura política. Recentemente, Bruno Peixoto, deputado estadual e presidente da Assembleia, o peitou, para tentar ser candidato a prefeito de Goiânia. Voltou ao seu lugar e lá está, inquieto, mas lá. Dando chutes, mas sob controle tático.

Uma das responsabilidades do governador é esta: abrir caminho para novas lideranças. Até agora, o faz para Daniel Vilela, seu vice e presidente do MDB. Daniel, que o enfrentou em 2018 para o governo, agora não faz nada sem o seu aval. Foi oposição, não é mais. Por mais que haja emedebistas e outros istas incomodados com a presteza de Daniel e na torcida para que se rebele, nada consta neste sentido. Nem constará, como indica sua disposição em campo.

Caiado e Daniel batem bola juntos. Jogam juntos. Não há jogo descombinado. O jogo jogado segue em sintonia. Inevitável: estão no mesmo time. Miram o mesmo gol, na prática de resultados. Ambicionam placar igual, em pretensões diferentes. Para tudo dar certo, ambos precisam dar certo como parceiros. Isso, sim, é Goiás dar certo na atual política em jogo. Um descuido de parte a parte e o caos estará instalado para 2026, quando um novo big bang pode acontecer, mas também quando o apocalipse pode chegar no poder.

Nas eleições deste ano, o único resultado ruim para os dois é a derrota da dobradinha que formam. O inimigo de um é o adversário do outro. O que faz o pouco fogo cruzado que Caiado enfrenta internamente empatar com o brando fogo armado contra os interesses em jogo de Daniel. Olhando por outro lado, o que temos: jogam afinados, enquanto a torcida grita, ou torce o nariz. É a lógica do gramado.

A oposição que não existe está pronta para brotar. Pode nascer embaixo das traves, no meio de campo e morrer minutos antes de entrar em campo; pode vir como carrapicho, pode não passar de capim. Caiado e Daniel somam a partir do momento em que não fazem oposição um ao outro. Jogo mantido, outubro é só um detalhe. Podem ganhar em campo ou depois, na vitória e na derrota dos adversários. Quem sabe podem ainda reinaugurar o novo Serra Dourada.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados