Meu nome é lembrança

em

|

views

e

comentários

Tenho uma facilidade enorme para esquecer nomes. Sofro com isso. Acho uma deselegância, algumas vezes e até desrespeito não lembrar o nome de um amigo de infância, por exemplo. Quando lembro do apelido, já me dou por satisfeito. Mas como chamar o cara pelo apelido de quando tínhamos 7, 8 anos, sendo que agora temos 56?

Por outro lado, minha vontade é sempre chamar o amigo como o conhecia na infância. Porque, até pronunciar o nome, o apelido, já voltei lá atrás, brinquei de novo, ri com a inocência que tínhamos, gritei com a alegria mais pura que existe e me dei conta de que tive uma infância feliz, maravilhosa, mais rica em imaginação do que em bens materiais, e que é por isso que consigo levá-la comigo por todo canto que eu vou.

Custo lembrar o nome, quando lembro, passo vergonha por isso, e vivo momento de angústia por querer demais lembrar o que me foge na hora, porém o rosto, as peraltices, as aventuras, o sentimento de mais de 50 anos e lá vai pedrada, tudo está fresco na memória. É a minha vida diária. O meu sabor constante na hora de olhar meus filhos, de comer um abacate, chupar jabuticaba, ver uma andorinha daquiprali e delápracá.

Quanto mais vivo, mais tenho paz com o tempo passado. Se não lembrar um nome causa um pouco de angústia, a vida que tive aos cinco anos, aos dez, essa vida vem sempre me visitar – e quando não vem, eu dou um pulo lá -, essa vida me alimenta e me fortalece e me faz feliz. Nenhuma lembrança minha me agrada mais que a dos meus avós. Muita saudade. Choro de felicidade só de recordar, sem sofrer um minuto sequer.

Creio que os psicólogos e psiquiatras podem ter uma teoria sobre essa minha defeituosa forma de perceber e absorver as coisas. Quem sabe me ajudariam se eu levasse isso à terapia. Mas por que entender o que me deixa tão contente do jeito que é? Tenho outros dramas e traumas maiores para resolver. Poesia a gente lê, respira, suspira e guarda para ler e ver e viver toda vez que a inspiração vem. Não há pressa. Não há dor.

Aos amigos, peço humildemente que me perdoem. Que me entendam. Que não me falham à memória. Que meu nome é lembrança. Estamos sempre na Eugênio Jardim, mais que sempre na estação, no campinho depois da estação (quanta pedra, meu Deus), sempre, sempre na praça, no Poço da Pedra, Lajeado e na roça. É bom demais saber que existimos enquanto o resto do mundo não fazia a menor diferença. Que (r)existo enquanto o mundo todo tenta me matar. Meu coração tem mais vida que eu na vida humana.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags

Mais Lidas

Prefeito Vilmar reúne pré-candidatos de 15 partidos aliados à Câmara nesta terça, 28

O prefeito de Aparecida, Vilmar Mariano (UB), reúne nesta terça-feira, 28, a partir das 18 horas, na Atlanta Music Hall, pré-candidatos e candidatas à...

Deputada Delegada Adriana Accorsi destina R$ 5 milhões 480 mil para Aparecida de Goiânia

A deputada federal delegada Adriana Accorsi destinou R$ 5 milhões 480 mil para a Prefeitura de Aparecida de Goiânia. Os recursos foram entregues nesta...

Estudantes de Goiás vão à final de concurso internacional de programação, no Cazaquistão

Equipe formada por alunos da UFG recebeu apoio financeiro do Governo de Goiás, por meio da Fapeg Estudantes do Instituto de Informática da Universidade Federal...

Recentes

Relacionados