Pré-candidatos a prefeito de Goiânia querem poder. A cidade é um detalhe

em

|

views

e

comentários

À pré-campanha em Goiânia continua concentrada na política e longe de chegar ao que de fato interessa: o goianiense. A conveniência do foco nos projetos particulares dos nomes postos no jogo mostra que não há um pretendente a prefeito fora da caixinha. O egoísmo, no caso a preponderância do projeto pessoal, se sobrepõe ao espírito público.

As poucas menções ou iniciativas de construção de um Plano de Governo são tímidas. O MDB e o PT anunciaram que já pensam nisso. Pensam. Na prática, nada que mostre uma ação real. E ficamos por aí. Pode-se dizer que o único que ainda mostra uma preocupação com a cidade de fato é o mais atacado hoje dos possíveis candidatos: o prefeito Rogério Cruz. Mas nenhuma novidade: ele não tem como evitar; os problemas batem no peito dele.

O tempo da pré-campanha é usado para os jogos de poder. Normal, até certo ponto. As costuras políticas, os embates internos – como o que se vê na base do governador Ronaldo Caiado, que bate-cabeça na indefinição da desunião – são próprios do momento. Porém, o espaço é também uma oportunidade para se apresentar ao menos o esboço de soluções para problemas endêmicos da Capital e um diferencial como pretendente ao Paço. Mas nada.

O que parece é que ninguém tem o que dizer de relevante. E nem dá tanta importância assim. “Quando eu chegar lá, resolvo tudo”, este parece ser o espírito de gestão que embala as pré-candidaturas. “O maior problema de Goiânia é eu não ser o prefeito”, eis outra expressão de auto-verdade – não seria de arrogância? – que parece embalar as ambições de cada um. Longe de outra visão das coisas: “O que fazer pra melhorar a vida da população goianiense e não a minha?”

Ninguém mostra ser alguém capaz de fazer a diferença. Até agora. Nenhum pretendente a administrar a Capital apresenta elementos que o torne um entre os muitos pré-candidatos. Isso pra enfatizarmos o senso de oportunidade pessoal – apresentar-se além do trivial – e para ressaltarmos o que é maior: o espírito público ou o projeto particular. À parte isso, o óbvio: não estamos discutindo a cidade, e sim ouvindo palavras de efeito e gestos de puro populismo confundido com amor pela causa.

Temos pré-candidatos da espécie mais dos mesmos. A cidade é apenas um campo de guerra para a disputa do poder pelo poder. Goiânia merece mais. Mais gestores de qualidade – como, aliás, indicam as pesquisas Quali – e mais respeito. E não mais dos mesmos e do mesmo triste destino que hoje os goianienses indicam querer mudar.

*Texto publicado pela Tribuna do Planalto

Vassil Oliveira
Jornalista. Escritor. Consultor político e de comunicação. Foi diretor de Redação na Tribuna do Planalto, editor de política em O Popular, apresentador e comentarista na Rádio Sagres 730 e presidente da agência Brasil Central (ABC), do governo de Goiás. Comandou a Comunicação Pública de Goiânia (GO) e de Campo Grande (MS).
Compartilhe
Tags
spot_img

Mais Lidas

O velório do Bonifácio

Pois é, o Bonifácio morreu. A mídia regional anunciava o fato incansavelmente. Merecido, pois se tratava de pessoa de bem e inspiradora do respeito de todos. Eu também fui ao velório, por que não? Não por curiosidade, isso não. O Bonifácio não me era uma pessoa tão íntima, mas mesmo assim eu gostava dele. Conhecia muitos dos seus feitos em benefício do semelhante. De fato, ele gostava de ajudar os outros. Isso fazia dele uma pessoa bastante popular. Todos o conheciam ali na redondeza.

Mutirão de Aparecida no Santa Luzia inicia atendimentos diretos nesta sexta, 24

Moradores poderão usufruir de mais de 100 tipos de serviços, incluindo segunda via de certidão de nascimento, casamento e óbito, que são novidade nesta...

Governo de Goiás: veja o que abre e fecha no feriado da padroeira de Goiânia

As repartições públicas estaduais na capital fecham nesta sexta-feira e reabrem na segunda-feira. Atividades essenciais, como saúde e segurança pública, funcionam normalmente Na sexta-feira (24/05),...
spot_img

Recentes

Relacionados